Pular para o conteúdo principal

O presidente desaparecido


Outro dia ouvi, numa fila de banco, um sujeito insinuar a outro que o país tem presidente.

Com a maior educação possível, entrei na conversa:

- Desculpe a intromissão, mas acho que o senhor está enganado. Eu me considero uma pessoa bem informada, e pelo que sei, não temos presidente há um bom tempo.


Esse meu vizinho de fila fez uma cara de surpresa:

- Como assim? - perguntou - Eu também vejo as notícias na televisão. O presidente é um tal de Temer, falam dele toda hora...

Tentei esclarecê-lo:

- É, também já ouvi falar desse tipo. Mas faz tempo que ele desapareceu. Não é mais visto nem aqui, nem fora. Me lembro que era casado com uma moça muito bonita, bem mais jovem que ele, mas ela também sumiu, ninguém mais sabe para onde foram ou o que aconteceu com eles.

A fila andou um pouco e demos dois passos à frente. Meu companheiro de espera ainda insistiu:

- Mas vi, semana passada mesmo, na televisão, esse Temer embarcar num avião para uma viagem para um encontro, sei lá, de um tal de "G" qualquer coisa...

 Nem deixei que completasse a frase:

- Eu também vi isso, mas tenho certeza de que aquilo era um truque, ou uma imagem velha, algo feito feito para nos enganar. O senhor teve alguma notícia de que esse hipotético presidente chegou em algum lugar, ou que se reuniu com alguém nesse encontro, que tenha falado alguma coisa, ou mesmo que tenha voltado para cá? 

Minha pergunta ficou sem resposta.

A fila andou mais um pouco.

Continuei com minha peroração:

- A verdade, meu senhor, é essa: o único presidente que temos hoje é o Bira, do Fundo de Quintal. Ouço falar de um tal de Getúlio, que dizem ter feito um monte de coisas erradas e várias outras certas; me lembro vagamente de um de apelido Jango, que saiu corrido por causa dos militares; me recordo mais fortemente de um tipo esnobe e pernóstico, que quebrou o país várias vezes, cujo nome foi abreviado para FHC, e é claro, desse ex-metalúrgico barbudo que querem prender de todo o jeito porque têm medo de que ele volte à presidência e, novamente, faça alguma coisa para os mais pobres. 

Demos mais dois passos à frente. 

Foi aí que meu interlocutor disse algo que realmente me tirou do sério e pôs fim à nossa interessante conversa:

- É, esse nosso Brasil realmente não tem jeito - falou.

Deu tempo para responder, quase aos gritos, antes que o caixa me chamasse:

- Brasil? Que Brasil? O Brasil também desapareceu, sumiu, ninguém sabe onde foi parar! (Carlos Motta) 

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…