Pular para o conteúdo principal

A luta do Brasil oficial com o Brasil real


A desesperança com o Brasil de hoje, lar dos cínicos e hipócritas, jardim onde vicejam as mais vorazes ervas daninhas, é tão grande que não raras vezes a vontade de arranjar uma morada em Pasárgada supera o desejo de permanecer apegado a este seio que me abriga e alimenta há tantas décadas.

Há oito anos escrevi uma crônica no meu antigo blog que, de certa forma, expressava o mesmo sentimento destes dias.

O texto exaltava dois brasileiros separados por décadas, mas unidos pelo mesmo amor a uma pátria maior que essa que nos apresenta todos os dias uma mídia de visão distorcida, parcial, mentirosa e, por que não, criminosa.

Creio que aquilo que escrevi há quase uma década é ainda atual, e por isso peço licença aos meus amigos para republicar essas linhas: 

Um Brasil que teme o Brasil


No seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, em 1989, Ariano Suassuna fez um observação que se presta muito aos dias de hoje:

"Um dia, lendo Alfredo Bosi, encontrei uma distinção feita por Machado de Assis e que é indispensável para se entender o processo histórico brasileiro. Ele critica atos do nosso mau governo e coisas da nossa má política. Mostra-se ácido e amargo com uns e outras depois explica:

'Não é desprezo pelo que é nosso, não é desdém pelo meu país. O 'país real', esse é bom, revela os melhores instintos. Mas o 'país oficial', esse é caricato e burlesco.'"

O autor da consagrada "Auto da Compadecida", a peça teatral mais encenada nos palcos brasileiros, e do grandioso "Romance d'A Pedra do Reino", prosseguiu, na ocasião:

"Quando eu quis que o uniforme que uso agora fosse feito por uma costureira e uma bordadeira do Recife, Edite Minervina e Cicy Ferreira, estava levando em conta a distinção estabelecida por Machado de Assis e uma frase de Ghandi que li aí por 1980, e que me impressionou profundamente. Dizia ele que um indiano verdadeiro e sincero, mas pertencente a uma das duas classes mais poderosas de seu país, não deveria nunca vestir uma roupa feita pelos ingleses. Primeiro, porque estaria se acumpliciando com os invasores. Depois, porque estaria, com isso, tirando das mulheres pobres da Índia um dos poucos mercados de trabalho que ainda lhes restavam.

"A partir daí, passei a usar somente roupas feitas por uma costureira popular e que correspondessem a uma espécie de média do uniforme de trabalho do brasileiro comum. Não digo que fiz um voto, que é coisa mais séria e mais alta colocada nas dimensões de um profeta, como Gandhi, ou de um monge, como Dom Marcos Barbosa. Não fiz um voto; digamos que passei a manter um propósito. Não pretendo passar pelo que não sou. Egresso do patriarcado rural derrotado pela burguesia urbana de 1889, 1930 e 1964, ingressei no patriciado das cidades como o escritor e professor que sempre fui. Continuo, portanto, a integrar uma daquelas classes poderosas, às quais fazia Gandhi a sua recomendação. Sei, perfeitamente, que não é o fato de me vestir de certa maneira, e não de outra, que vai fazer de mim um camponês pobre. Mas acredito na importância das roupagens para a liturgia, como creio no sentido dos rituais. E queria que minha maneira de vestir indicasse que, como escritor pertencente a um país pobre e a uma sociedade injusta, estou convocado, 'a serviço'. Pode até ser que o país objete que não me convocou. Não importa: a roupa e as alpercatas que uso em meu dia-a-dia são apenas uma indicação do meu desejo de identificar meu trabalho de escritor com aquilo que Machado de Assis chamava o Brasil real e que, para mim, é aquele que habita as favelas urbanas e os arraiais do campo. Voltarei depois a este assunto, de tal modo é ele importante na minha visão do mundo e, em particular na do nosso país, a esta altura submetido a um processo de falsificação, de entrega e vulgarização que, a meu ver, é a impostura mais triste, a traição mais feia que já se tramou contra ele."

Em inúmeras oportunidades, Suassuna voltou a esse tema. Os trechos das duas entrevistas abaixo são um ótimo exemplo de como ele dá importância para a concepção machadiana:

Qual é a pior doença e qual é a melhor cura para o Brasil de hoje, às vésperas do ano 2000 ?

Ariano Suassuna: Machado de Assis fez uma distinção definitiva entre o Brasil oficial e o Brasil real que, a meu ver, é o do povo, o do "Quarto Estado''. As maiores doenças nossas têm origem no Brasil oficial e a cura só lhe pode vir do Brasil real. As pessoas que sustentam ideias diferentes das nossas parecem pensar: ''O Brasil oficial é o problema; na Europa e nos Estados Unidos está a solução.'' Eu acho que o Brasil oficial é o problema, no Brasil real está a solução. Ou, um pouco à moda de Unamuno (Miguel, poeta e filósofo espanhol): "O Brasil é o problema, o Brasil é a solução."
....

O senhor recorre a um artigo escrito por Machado de Assis em 1870 para falar de um Brasil real e de um Brasil oficial. Essas definições ainda valem hoje em dia?

Ariano Suassuna: Machado de Assis diz que o país real é bom, revela os melhores instintos, mas o oficial é caricato e burlesco. Não sei se fazendo violência ao pensamento de Machado de Assis, identifico o Brasil oficial com as classes privilegiadas e o Brasil real com o Brasil do povo, dessa imensa maioria de despossuídos que, a meu ver, é a fonte da grande esperança que eu tenho no meu povo. Se Machado de Assis fosse vivo, constataria que o país real continua bom, revelando os melhores instintos, e o país oficial ficou ainda mais caricato e burlesco.

...

Como se vê, pouca coisa mudou no Brasil desde Machado de Assis - e desde que Ariano Suassuna fez uso pela primeira vez do resumo que o notável escritor e cronista apresentou deste país.

O que se vê hoje é o Brasil oficial reagindo desesperado à ameaça de perder alguns míseros privilégios em favor do Brasil real.

Machado de Assis, creio, quando fez essa distinção entre os dois Brasis, não havia lido Karl Marx.

Suassuna, quando descobriu Machado de Assis, certamente já conhecia a obra do filósofo alemão.

Nacionalista extremado como é, ele prefere usar o grande escritor brasileiro para se referir a um dos conceitos básicos do marxismo.

Pode parecer incrível para alguns, mas a velha luta de classes continua mais viva do que nunca.

Comentários

  1. É como se diz no Brasil Real: "vixe, danou-se."
    Digo eu: acredito no Brasil Real. O oficial,que se acha dono do cofre dos impostos, está falido.Estão completamente baratinados. Só fazem caca, e já estão patinando nela.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…