Pular para o conteúdo principal

Fofocas, calúnias e a idiotização do brasileiro

A internet e os aparelhos chamados de "smartphones" revolucionaram as comunicações de tal maneira que hoje a antiguíssima frase "nenhum homem é uma ilha" deixou de ser uma licença poética. 

Os mecanismos de busca do tipo Google possibilitam obter, instantaneamente, praticamente qualquer tipo de informação que se queira.

Centenas de anos de conhecimentos acumulados por todos os povos deste planeta estão à disposição - basta um clique e lá vem uma torrente de tesouros preciosos.

Ou não.

A internet também é o maior depósito de lixo, todo tipo de lixo, que existe.


Ela é o exemplo perfeito da incomensurável capacidade do ser humano de se autodepreciar como espécie.

Tudo de pior da alma humana pode ser encontrado na rede, desde os mais torpes golpes até as mentiras mais maldosas.

No Brasil não é novidade que a internet está sendo usada há vários anos como arma de guerra contra o campo progressista, ou, se quiserem, simplificando, para consolidar a dominação da Casa Grande sobre a Senzala.

O trabalho desse exército é incessante. 

Ele se vale de todas as ferramentas que a tecnologia tornou disponível: sites, blogs, redes sociais, aplicativos de mensagens instantâneas, qualquer novidade que surgir.

Como o brasileiro é um dos povos mais ingênuos e crédulos do mundo, não tem sido difícil para essa turma espalhar as mais incríveis e imbecis informações como se fossem as mais sólidas e incontestáveis verdades.

O filho do Lula é dono da Friboi.

O Lula é um dos homens mais ricos do universo.

A Dilma, terrorista sangrenta, roubou bancos.

E por aí vai, com mais ou menos variações, o repertório inesgotável de sandices que envenenam os cérebros já meio desprovidos das famosas "pequenas células cinzentas" tão prezadas pelo imortal detetive Hercule Poirot.

Do jeito como a coisa vai indo, logo mais restarão poucos neste imenso país que acreditarão que a Terra é redonda, ou que o homem e os primatas têm um ancestral comum, ou que quem vê e fala com demônios provavelmente sofre de esquizofrenia.

A disputa política, a luta de classes, a guerra ideológica, esse terremoto que abala a nação, têm efeitos muito mais profundos do que se pode supor à primeira vista.

Não é só o risco de se institucionalizar o boato, a fofoca, a calúnia, a injúria e a difamação como meios de perseguir inimigos ou de se livrar de condenações judiciais, como infelizmente já vem ocorrendo. 

O Brasil está perto de se tornar uma nação de idiotas. (Carlos Motta)

Comentários

  1. "O Brasil está perto de se tornar uma nação de idiotas." Acho que ainda falta muito pra chegar lá. Mas os representantes da categoria tem se esforçado bastante. Ja vi alguns andando na rua, com a lingua pendurada.

    ResponderExcluir
  2. "O Brasil está perto de se tornar uma nação de idiotas." Não!!! O Brasil se tornou uma nação de idiotas faz tempo!

    ResponderExcluir
  3. "Mas os representantes da categoria tem se esforçado bastante. Ja vi alguns andando na rua, com a lingua pendurada."
    Você se esqueceu dos com "olho esbugalhado".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…