Pular para o conteúdo principal

"Todos os políticos usam caixa 2." E aí, vamos processar todos?

Se o que o empresário Marcelo Odebrecht disse, em um dos seus depoimentos de "delação premiada", for verdade, o melhor que se tem a fazer, para que o Brasil continue existindo, é simplesmente deixar tudo como está, já que, se for para cumprir a lei, não se fará outra coisa no Brasil a não ser investigar e processar todos os que se aventuraram no mundo da político: segundo ele, todos os políticos usam recursos de caixa 2 para financiar suas campanhas. 

"Eu não conheço nenhum político no Brasil que tenha conseguido fazer qualquer eleição sem caixa dois. O cara pode até dizer que não sabia, mas recebeu dinheiro do partido que era caixa 2. O político que disser que não recebeu caixa 2 está mentindo", disse o alcagueta.


No mesmo depoimento, Marcelo Odebrecht disse que o repasse via caixa 2 era predominante para políticos que tinham bom relacionamento com a empresa. "Todo lugar onde a gente tinha uma relação forte ou uma presença forte, com certeza teve caixa 2."

Preso preventivamente na Lava Jato desde 2015, Marcelo decidiu delatar o esquema de corrupção em campanhas políticas depois de ser condenado a 19 anos e quatro meses de prisão em uma das ações a que responde na 13ª Vara Federal em Curitiba, comandada pelo juiz (sic) Sérgio Moro. 

Se não se dobrasse à tortura a que foi submetido e dedurasse os inimigos de sempre da oligarquia nacional, certamente seria condenado à prisão perpétua, como o ex-ministro José Dirceu.

Comentários

  1. A essência do capitalismo é a roubalheira. Onde houver dinheiro, eles formarão quadrilhas para roubá-lo. E o restultado é o que estamos vendo acontecer no mundo. Total desprezo pela vida.Lembra quando a preocupação com o meio ambiente era "coisa de comunista"? Agora o bicho tá pegando pra todo mundo. São um bando de parasitas altamente perniciosos. É por aí que fica claro o motivo da prisão do Almte. Othon. Inveja.

    ResponderExcluir
  2. Todo esse chacoalho da curriola asquerosa, tem como unico objetivo tirar o poder das mãos do povo. Nada vai acontecer com as ratazanas. É tudo jogo de cena. Me engana que eu gosto. Seus ladrões bunda suja.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…