Pular para o conteúdo principal

Uma democracia não pode ter presos políticos

Comentário do jornalista Mario Rocha no Facebook:

"O juizeco do Paraná deu mais uma sentença de condenação ao Zé Dirceu. Alegação: recebimento de propinas por parte de administradores de uma tal empresa Tubular. Os administradores estão soltos sob a alegação de que não havia provas contra eles. Entendeu o modus operandi do juizeco? Ele diz ter provas de que o Dirceu recebeu propinas. Mas não tem provas para condenar quem pagou a propina. Será que o juizeco, como questionou o advogado Batocchio, passou no exame da OAB? Zé Dirceu pode não ser santo, mas ele é hoje um preso político."

Há pouco a acrescentar.

Apenas que José Dirceu foi um dos principais troféus que a direita escolheu para arrebatar na sua cruzada contra a esquerda brasileira: o maior prêmio, como todos sabem, é o ex-presidente Lula.


Afinal, além de seu histórico de lutas contra a ditadura militar, Dirceu foi um dos pilares do PT, formulou a estratégia que permitiu a eleição de Lula e o seu sucesso no governo, além de ter sido seu mais importante ministro no primeiro mandato.

Natural, portanto, que tenha sido alvo de intensa perseguição, que culminou na farsa do julgamento da AP 470, aquele do "não tenho provas, mas a literatura jurídica me permite condená-lo", e nessa armação grotesca dos lava-jatos.

Dirceu preso é a prova mais cabal de que não existe Justiça no Brasil, mas sim um simulacro a serviço de interesses políticos e pecuniários.

O Judiciário é a maior fonte de corrupção do Estado brasileiro, já que sua fiscalização e controle são exercidos pelos seus próprios membros.

A prisão de Dirceu é uma aberração jurídica e moral.

Uma aberração que deveria ser combatida por todos os que acreditam na democracia e, principalmente, pelos integrantes do PT, que, pelo menos publicamente, nada têm feito em favor de sua libertação. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Acho francamente, que não haverá uma reação imediata contra essa balburdia golpista. Principalmente por iniciativa do Pt. Esses pederastas golpistas, acham que estão fazendo uma grande e ousada sacanagem com os trabalhadores. Não. Não é contra os trabalhadores. É contra a Pátria. Ocorre que, sabemos nós que temos é chão nesse Brasil, que a vida em sociedade tem suas leis, e que tudo isso se voltará contra êles mais cedo ou mais tarde.Não sabem êles como são estúpidos. Quando souberem já será tarde.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…