Pular para o conteúdo principal

O rebanho aguarda calmamente a hora do abate


A informação de que o PIB brasileiro afundou 3,6% no ano passado, depois de uma retração de 3,8% em 2015, configurando a maior recessão da história do país, dá o que pensar. Não pela tragédia econômica e social que os números indicam, porque isso qualquer criança de 6 anos sabe, mas pela indiferença com que os dados são recebidos pelas nossas autoridades.

O Brasil se derrete rapidamente.

Não há nenhuma perspectiva de melhora da economia em curto e médio prazos.

Milhões de empregos já foram exterminados, empobrecendo as famílias, corroendo a renda, e diminuindo o consumo, numa sucessão de efeitos funestos para a sociedade.

E enquanto tal barbaridade ocorre, presidente da República, ministros de Estado, senadores, deputados federais e estaduais, governadores, prefeitos, vereadores, juízes e promotores, só para ficar na esfera pública, promovem uma bacanal sem fim, na qual cada um trata de seus interesses e vive numa realidade paralela, não dando nenhuma importância ao incêndio que se alastra no mundo real.


Um exemplo é essa obscenidade que ficou conhecida como lava-jato, que a pretexto de combater a corrupção numa empresa estatal, liquidou com um setor fundamental para a economia brasileira, o da construção pesada, feriu gravemente outros dois, o da petroquímica e construção naval, e, em consequência, desempregou centenas de milhares de pessoas.

Fora o fato de que, ao insistir em perseguir uma só agremiação partidária, e, principalmente, a sua maior liderança, jogou no lixo boa parte da incipiente democracia brasileira.

O estrago que os golpistas provocaram, estão provocando e provocarão no país, em todos os setores de sua vida, é incomensurável.

Talvez seja definitivo, talvez o Brasil nunca mais recupere as condições de diminuir a degradante desigualdade social que o envergonha perante as outras nações.

Talvez nunca mais se erga e se porte como a potência global que ensaiou ser há poucos anos, durante os governos trabalhistas.

É quase certeza que os autores desse crime saiam impunes e gozem o tempo que lhes resta nesta terra em condições materiais privilegiadas.

Justiça passou a ser, no Brasil, apenas um substantivo feminino, sem nenhuma outra valoração.

E o povo brasileiro, por aceitar esse estado de coisas, pode ser comparado a um imenso rebanho, que mansamente aguarda seu fim num matadouro infecto e fedorento. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Sem comentários. Infelizmente é o quadro com todos os detalhes perversos, da situação em que nos encontramos. Que Deus nos ilumine, e nos ajude a revertê-lo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…