Pular para o conteúdo principal

As histórias do Condomínio Feliz Cidade

Dias atrás coloquei na rede um blog chamado "Condomínio Feliz Cidade", na realidade uma pequena novela com 20 capítulos, ou minicontos, nos quais o narrador, por coincidência também chamado Carlos, conta alguns aspectos de sua vida num desses edifícios tão comuns nas grandes, médias e até minúsculas cidades - Serra Negra, onde vivo, tem 27 mil habitantes e dezenas de edifícios.


Sempre gostei de ler, assistir e ouvir histórias, e de uns anos para cá passei a contá-las, em contos curtos, 50 deles reunidos num e-book que lancei, "O Riso Frouxo do Homem Insignificante" ( download aqui ), e num outro blog, Contos do Motta.


O "Condomínio" é minha primeira tentativa de escrever algo mais longo, mas não tão longo que possa entediar o leitor. 

Os capítulos, ou historietas, podem ainda ser interpretados como fragmentos de um diário escrito pelo narrador.

São simples, como os textos que gosto de ler.

Até ingênuos, nestes tristes dias em que perversidades são praticadas impune e institucionalmente.

Mas foram escritos com alegria e um sentimento misto de fé e esperança no ser humano.

O primeiro capítulo vai a seguir, na íntegra:

O silêncio vale ouro

Recebi a notícia do Zé, porteiro da manhã, logo que ia saindo para trabalhar - deixo meu carro estacionado na rua mesmo e alugo a vaga da garagem, pois assim reforço o orçamento, o Uno ninguém vai querer roubar de tão velho que é:

- Dona Marta quer falar com o senhor.


Antes que perguntem, eu respondo: Dona Marta é a síndica do prédio. Viúva, mandona, mas nunca me incomodou. O que será que ela quer? Olhei para o relógio e vi que dava tempo para uma conversa:


- Liga pra ela, Zé.


O Zé é meio esquisito, calado, mal dá bom dia para os moradores, mas é de confiança. Dizem que tem uma filha doente que cria sozinho - a mulher largou dele já faz uns dez anos. Isso, porém, é outra história.


- Dona Marta, tudo bem? Estou à sua disposição.


E ela me conta que havia recebido uma queixa - não disse de quem - sobre eu ter feito barulho, sei lá, como se estivesse martelando alguma coisa, no domingo - claro que o condomínio não permite isso. Achei estranho. A única coisa diferente que fiz no domingo foi pensar seriamente em arranjar outro emprego. Será que pensei alto demais?


Para não encompridar a conversa, pedi desculpas, falei que estava mesmo pregando um quadro da Norinha na parede (a Norinha é a minha filha, tenho um casal, o menino a gente chama de Beto), quase me convenci da mentira, dona Marta até que foi gentil, me passou um sermão leve e me desejou bom dia.


No caminho para o trabalho lembrei que o tal barulho bem que poderia ter sido obra do Beto - ele é o tipo de garoto capaz de surpreender a gente.


Mas confesso que não escutei nada.


Nem o Beto seria capaz de ferir a modorra de um domingo.

Comentários

  1. Baixei o arquivo pdf, e ja li todo o Condominio Feliz Cidade. É leitura agradável, e bem escrita. Particularmente, gosto das crônicas do dia a dia. Os personagens são senssassionais, e sempre nos ensinam muito da vida.Quantos enrroscos já tive com "Dna.Marta". Recentemente fiquei chateado , quando soube que demitiram o Jaguar do Jornal O Dia. Assim como você, cronista é presença indispensável na midia.Grato, pelo presente.

    ResponderExcluir
  2. Errata: a grafia correta é "sensacionais". Na hora arrisquei e me dei mal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…