Pular para o conteúdo principal

Os homens errados nos lugares errados


A situação do Brasil, dominado por um bando de pessoas corruptas e ignorantes, é trágica.

Do núcleo do poder executivo, a cada dia que passa, fica mais evidente a impressão de que nenhum desses personagens, presidente et caterva, tem mínimas noções de educação, ética, moral ou qualquer coisa que se assemelhe à civilização.

O presidente se pretende intelectual apelando para o uso das arcaicas mesóclises, como se elas fossem capazes de encobrir as deficiências de seu raciocínio.

Seu ministro de educação não sabe conjugar o verbo haver.

A Pasta da Cultura é ocupada por um dos maiores sinecuristas que já viveram nestas terras.

Seu comportamento na entrega do prêmio Camões a Raduan Nassar foi, mais que patético, revelador de seu caráter - ou falta dele.

E a nota oficial que mandou publicar, posteriormente ao vexame público que protagonizou, merece destaque num compêndio da canalhice nacional.

De tão cretina, tem de ser lida por inteiro:


O Ministério da Cultura (MinC) lamenta, mais uma vez, a prática do Partido dos Trabalhadores em aparelhar órgãos públicos e organizar ataques para tentar desestabilizar o processo democrático. Durante a cerimônia de entrega do Prêmio Camões de Literatura, em São Paulo, o ministro da Cultura, Roberto Freire, teve sua fala interrompida por manifestantes partidários, sinal de desrespeito à premiação oficial dos governos de Brasil e Portugal.

Considerada a mais importante distinção da Língua Portuguesa, o prêmio concedeu 100 mil euros (sendo 50 mil euros arcados pelo MinC) ao escritor brasileiro Raduan Nassar.

O agraciado foi respeitado por todos durante sua fala, ao contrário do que ocorreu com o ministro da Cultura, interrompido de forma agressiva. Apesar de ser um adversário político do governo, Raduan recebeu o prêmio, legitimando sua importância. Uma premiação literária com essa dimensão não merecia esse comportamento intolerante de alguns, que tentaram partidarizar o evento.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

Comentários

  1. "O Pt tenta desestabilizar o processo democrático".
    Esse golpista é daqueles que comem côcô de vaca, pra escapar da dura realidade: "O GOLPE NÃO COLOU!

    ResponderExcluir
  2. Com a aproximação do carnaval, o Rouberto Fantasiadodefreira, aproveita pra nos matar de rir com sua fantasia de defensor da democracia. Certamente diria o Imperial: "dez, nota dez". Como é pândego esse folião.

    ResponderExcluir
  3. Por falar em cultura : "aja pica!". Deve ter exclamado nosso porta voz do cinepornô, em concordância com o ministro.

    ResponderExcluir
  4. O Ministério da Cultura adverte: "parem de me aporrinhar com êsse negócio de cultura".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…