Pular para o conteúdo principal

Empresário de transportes acredita em Papai Noel


O empresário brasileiro sofre de um problema sério: acredita nos jornalões, no que vê na Globo, e provavelmente em Papai Noel. Não fosse isso, estaria hoje engrossando o coro daqueles que gritam "fora, Temer", já que o governo do Dr. Msóclise e seu bando de picaretas não tem a menor condição de tirar o país do atoleiro em que o meteram.

A desinformação não é, porém, o único problema do empresário brasileiro.

Além de estar alheio ao que acontece no mundo - e no Brasil - ele, na média, tem limitada formação intelectual, ou seja, é burro. Somente isso pode explicar o apoio que deu ao movimento golpista que tem feito o possível e impossível para empobrecer os brasileiros, tirando-os do mercado de consumo, e afetando, dessa maneira, os negócios dos empresários.

A burrice é tanta que, segundo uma sondagem feita pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), 53% dos empresários desse segmento, em que pese a mais grave crise que eles já enfrentaram, manifestaram aumento da confiança na gestão econômica atual, sob o comando daquela nulidade chamada Henrique Meirelles.


Interessante é que praticamente metade (49,3%) deles acredita que a retomada do crescimento da economia só será percebida em 2018, quando então poucos terão sobrevivido à recessão que se aprofunda cada vez mais.

A sondagem abrangeu um universo de 795 empresas brasileiras transportadoras de cargas e passageiros e mostrou que 60% delas sofreram diminuição da receita em 2016 e 58,8% precisaram reduzir o número de viagens.

“A restrição do acesso ao crédito para a compra de novos veículos e o aumento do custo operacional foram as principais dificuldades encontradas pelas empresas em 2016, além, é claro da crise econômica e política que afetou não só o setor de transportes, mas o Brasil todo”, diz Roberto Teixeira, diretor-executivo da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros dos Estados do Paraná e de Santa Catarina, a Fepasc.

De acordo com a pesquisa, o aumento do custo operacional afetou 74,6% dos entrevistados. Além disso, 63,7% das empresas não adquiriram veículos novos em 2016, e 44,6% não pretendem adquiri-los em 2017. A crise política também apareceu no levantamento, já que para 90,7% dos empresários esse foi um fator negativo nos resultados econômicos do setor.

O setor de transportes demitiu 52.444 trabalhadores de dezembro de 2015 a setembro de 2016. O quadro de funcionários previsto para 2017 foi reduzido por 58,1% das empresas e apenas 30% deve contratar novos funcionários.

Comentários

  1. Eu compreendo os empresários Motta. Eu que sou velho, feio, desdentado, pobre, barrigudo e desempregado, ainda tenho esperança de um dia conquistar e casar com a Xuxa. Esperança é esperança. Fazer o que?

    ResponderExcluir
  2. Agora fiquei emocionado! Coitado do velhinho. Buaaaaa! Buaaaa!

    ResponderExcluir
  3. AH! É..... Seu gaiato. Não se esqueça que você também vai ficar velho. Bilu, bilu, tetéia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…