Pular para o conteúdo principal

A indústria nacional agoniza: no ano produção caiu 7,1%


O desastre que tem sido para o país o governo golpista pode ser medido pelo desempenho da indústria: segundo o IBGE, no ano, até novembro, a produção industrial caiu 7,1%, em comparação com igual período do ano passado - que não foi nenhuma Brastemp. O indicador acumulado nos últimos 12 meses recuou ainda mais - 7,5%.

Em novembro, a produção industrial cresceu pífios 0,2% em relação a outubro, graças aos pedidos para o fim de ano, e caiu 1,1% na comparação com novembro de 2015. 

A queda de 7,1% no ano atingiu as quatro grandes categorias econômicas. Vinte e três dos 26 ramos, 63 dos 79 grupos e 73,5% dos 805 produtos pesquisados reduziram a produção.



Entre as atividades, indústrias extrativas (-10,8%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-13,2%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-8,4%) exerceram as maiores influências negativas na formação da média da indústria. 

Outras contribuições negativas relevantes sobre o total vieram de máquinas e equipamentos (-12,9%), de produtos de minerais não-metálicos (-11,3%), de metalurgia (-7,0%), de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-17,5%), de outros equipamentos de transporte (-21,7%), de produtos de metal (-10,4%), de produtos de borracha e de material plástico (-7,8%), de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-8,6%), de confecção de artigos do vestuário e acessórios (-7,4%), de produtos do fumo (-25,5%) e de móveis (-11,8%).

Entre as três atividades que ampliaram a produção nos 11 meses de 2016, as principais influências foram observadas em produtos alimentícios (0,9%) e celulose, papel e produtos de papel (2,7%).

Entre as grandes categorias econômicas, o perfil dos resultados para os 11 meses de 2016 mostrou menor dinamismo para bens de consumo duráveis (-15,4%) e bens de capital (-13,2%), pressionadas, especialmente, pela redução na fabricação de automóveis (-14,2%) e de eletrodomésticos (-15,8%), na primeira; e de bens de capital para equipamentos de transporte (-14,1%) e para fins industriais (-12,0%), na segunda.

Os segmentos de bens intermediários (-6,8%) e de bens de consumo semi e não-duráveis (-3,7%) também assinalaram taxas negativas no índice acumulado do ano, com o primeiro registrando recuo ligeiramente abaixo da magnitude observada na média nacional (-7,1%); e o segundo apontando a queda mais moderada entre as grandes categorias econômicas.

Comentários

  1. Enquanto isso, os golpistas metem o pé na mordomia e nos aumentos de salário. Infelizmente vai dar merda da grossa.

    ResponderExcluir
  2. Nosso lider pacifista Mesoclise Vaselinowisk deve estar animado com as notícias vindas do Mexico. Lá, o projeto de união nacional semelhante ao nosso já começou a dar resultado. Sem precisar de carteira assinada, seguro desemprego e outras baboseiras, o povo se uniu, e foi em busca do que precisava pela cidade, sem a tutela do Estado. Foi um sucesso. É só juntar uma galera, entrar nas lojas e pegar o que precisa. Simples. Como é que eu nunca tinha pensado nisso? Parabéns Mesóclise.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…