Pular para o conteúdo principal

O empresário está pessimista. Quem diria...


Índice de Confiança do Empresário Industrial

Dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) revelam que a confiança do empresariado brasileiro voltou a estar pessimista. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) recuou 3,7 pontos de novembro para dezembro e voltou aos 48 pontos. Após chegar perto da média histórica em setembro, com 53,7 pontos, o ICEI caiu nos três meses seguintes, acumulando queda de 5,7 pontos no período.

A pesquisa mostra também que a falta de confiança é particularmente mais expressiva entre as empresas de pequeno porte, com queda no indicador de 48,7 pontos em novembro para 44,4 pontos em dezembro. Nas grandes empresas, o índice retrocedeu de 53,5 para 50,3 pontos. Nas médias, o indicador passou de 51 para 46,7 pontos. A pesquisa envolveu 2.971 empresas em todo Brasil entre os dias 1º e 12 de dezembro. Nesta amostra, 1.174 são pequenas; 1.112, médias; e 685, grandes.

A variação negativa do ICEI em dezembro deve-se tanto por conta de uma avaliação mais negativa de suas condições de negócios como também pelas perspectivas para o futuro, que continuaram em trajetória de piora. O índice de expectativas recuou 7,1 pontos nos últimos três meses. 

Enquanto não houver uma recuperação da economia, a queda contundente da demanda e as expectativas desta para o futuro apenas farão com que o índice de confiança se deprecie. Com a queda paulatina dos investimentos, é difícil vislumbrar uma recuperação da renda e do emprego. Ações anticíclicas associadas a uma redução expressiva da taxa de juros urgem para a retomada do crescimento em um ambiente de profunda ausência de elementos que dinamizem a economia. Um ajuste fiscal em um ambiente como o atual apenas irá agudizar a recessão. Cabe saber até quando o Ministério da Fazenda insistirá em dobrar a aposta. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Pessimista? Foram mexer em casa de abelha africana; poucos escaparão se o barco continuar à deriva.

    ResponderExcluir
  2. Imagine a nova geração de corruptinhos, que nesse momento entra na maquina publica pela janela. Cheia de sonhos de luxuria e de poder. Alo, alo empresarios! Favor comparecer com o rabo. É bom ja vir sem as calças.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…