Pular para o conteúdo principal

É Natal, é dia do ódio

O melhor, ou no caso, pior exemplo do que a sociedade brasileira está se transformando depois que as comportas do ódio e preconceito foram abertas, é o assassinato do vendedor ambulante Luiz Carlos Ruas, na noite de Natal, em plena estação Pedro II do metrô paulistano.

Ruas foi espancado até a morte por duas bestas-feras depois de ter defendido um morador de rua homossexual que estava sendo agredido pelos facínoras.

No dia de Natal, numa estação de metrô, à vista de várias pessoas, sem que ninguém, nem mesmo os seguranças do local, interviessem!

A polícia já sabe quem são os dois criminosos, que devem ser presos e responder na Justiça pelo que fizeram.

Mas isso é pouco para evitar que atos semelhantes ocorram.

É necessário entender o que leva um ser humano a odiar tanto o outro, a ponto de matá-lo a pancadas.

É preciso entender as causas que despertaram tamanha carga de rancor em considerável parcela da sociedade.

E é preciso, antes que a situação fuja completamente de controle, aceitar o fato de que não se transige com celerados desse tipo, fascistas que não têm lugar em nenhum agrupamento civilizado. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Prezado Motta. Já toquei nesse assunto várias vezes aqui no seu blog. Peço licença para expor novamente o que penso. Já tenho muita estrada nesse mundo e algumas coisas tive que aprender para sobreviver. Uma delas é o seguinte: homosexual assumido, é pessoa normal, que quer viver a vida que o Criador lhe deu. Agora, homosexual enrustido....CUIDADO. Se investigarem, verão que esses dois assassinos são viados, viados covardes e criminosos. Aliás é bom que as pessoas tomem cuidado com essa gente, porque eles estão barbarizando em todos os sentidos.Principalmente as moças inexperientes, que se encantam por eles, e tem , ja conheci muitas, suas vidas destruidas por esses monstros.Há um andaço dessas pragas no mundo. E quando sob efeito de cocaína...... valha-nos Deus Nosso Senhor.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…