Pular para o conteúdo principal

A política poderia nos salvar. Mas ela foi destruída


O aumento do preço da gasolina depois de duas reduções que não chegaram ao bolso do consumidor; a afirmação do prefeito eleito de São Paulo de que a cidade é um "lixo vivo"; a canetada do ministro do Supremo Tribunal Federal que tirou o presidente do Senado de seu cargo. 

Notícias é que não faltam neste Brasil Novo.

Separadas, elas são apenas mais uma entre tantas a encher os portais da internet e as páginas dos jornalões.

Juntas, contam outra história.

Revelam um país profundamente ferido em suas instituições, à beira de uma ruptura social, sem rumo, com a atividade econômica em recessão, e à mercê de fugazes salvadores e justiceiros de ocasião.


O golpe que afastou a presidenta Dilma Rousseff, combinado com a atuação inconsequente de um grupo de procuradores do MP, delegados da PF e de um juiz de primeira instância, em poucos meses desarticulou de maneira quase completa as instituições da República e aprofundou uma crise econômica de tal modo que a recuperação vai levar muito mais tempo que se imaginava.

O tecido social se esgarça, a insatisfação entre os estratos mais baixos e médios cresce exponencialmente - ninguém é capaz de prever o que ocorrerá daqui a poucos meses.

Há apenas um caminho para evitar esse cenário de caos que se aproxima: o da política.

Mas ele está interditado porque assim quis a oligarquia que manda no país, essa mesma que, por meio de seus agentes na mídia, tratou de criminalizar uma das mais essenciais atividades humanas.

Anos e anos de desinformação e propaganda mentirosa promoveram uma lavagem cerebral em grande parte da população, que passou a considerar a política uma função tão baixa que só poderia ser exercida pela escória.

O resultado é isso que se vê: o pior Congresso de toda a história, o pior presidente que o Brasil já teve, uma quadrilha no comando do Executivo central.

E a aclamação de aventureiros e oportunistas como heróis de uma tragédia que não tem data para terminar. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Só quem pode nos salvar é o Capitão Gay e seu Assistente Carlos Sueli. Quem diria que o golpe era apenas faniquito. Esses golpistas querem mesmo é aparecer na foto, ir na reunião do g20 e outras viadagens. Enquanto o País caminha para o conflito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…