Pular para o conteúdo principal

Vendas do comércio não param de cair

A atividade econômica do país segue a trajetória prevista por todos que não se engajaram no golpe que resultou na queda do governo trabalhista.

A cada índice divulgado fica mais forte a certeza de que o Brasil Novo resultará numa tragédia, não só para a imensa massa de trabalhadores, mas também para grande parte dos empresários.

A pesquisa nacional de vendas do varejo do IBGE, relativa a agosto, ratifica esse prognóstico: na série com ajuste sazonal, o comércio varejista nacional registrou queda de 0,6% em volume de vendas e de 0,5% em receita nominal frente a julho de 2016. Com esses resultados, a média móvel trimestral para o volume de vendas, em trajetória descendente desde maio de 2016, mostrou recuo de 0,3%, enquanto permanece no campo positivo (0,7%) para a receita nominal.


Na série sem ajuste sazonal, em relação a agosto de 2015, o volume de vendas recuou 5,5% frente a agosto de 2015, 17ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação. Com isso, o varejo acumulou nos oito primeiros meses do ano, em termos de volume de vendas, perda de 6,6%. O indicador acumulado nos últimos 12 meses mostrou recuo de 6,7%. Para a receita nominal de vendas, os mesmos indicadores apresentaram variações positivas: 6,6% frente a agosto de 2015, 5,1% no acumulado no ano e de 4,1% nos últimos 12 meses.

No comércio varejista ampliado (varejo e mais as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção), a variação em relação a julho de 2016 ficou em -2,0%, para o volume de vendas e em -1,2% para a receita nominal, ambas na série com ajuste sazonal. Em relação a agosto de 2015, o varejo ampliado recuou 7,7% para o volume de vendas e avançou 1,2% para a receita nominal. No que tange às taxas acumuladas, os resultados foram de -9,3% no ano e de -10,2% nos últimos 12 meses, para o volume de vendas, e de -0,6% e -1,9% para a receita nominal, respectivamente.

Comentários

  1. Enquanto durarem as minhas coisas, e esse governo doido, eu não compro nada. Nada, nem um par de sandalias havaianas. Vou usar minhas cuecas até furar. Homem previnido, não fica com as calças na mão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…