Pular para o conteúdo principal

Vamos respeitar a idiotia do povo


Democrata que sou, só me resta aceitar e respeitar o resultado das urnas.

É óbvio que queria que ele fosse diferente, mas a maioria do povo brasileiro não pensa como eu.

Mas o povo está sendo manipulado pelos meios de comunicação há anos, argumentam vários estudiosos da sociedade, os chamados cientistas sociais, para explicar essa guinada à direita do país.

Bem, penso, isso até que é verdade. 

A Globo é a grande formadora da opinião pública.


Você vai ao restaurante e tem de comer com a TV ligada na Globo; vai ao dentista, cedinho, e lá está a Ana Maria Braga com aquela voz de total desânimo "ensinando" como se faz uma gororoba qualquer; vai ao médico, ao pronto socorro, com dor, e lá está a Globo repetindo uma de suas horrorosas novelas.

A Globo é o Brasil.

Mas esse povo vê a Globo, segue a moda que a Globo impõe, vibra com os "artistas" da Globo, chora a morte dos atores da Globo, acredita nas notícias da Globo, porque quer.

Ninguém o obriga a isso.

E o mesmo acontece na hora de votar.

O sujeito vota no candidato corrupto até a alma porque quer.

Ninguém o obriga a isso.

Mas ele não sabe que aquele sujeito é um ladrão, argumentam vários desses "cientistas sociais".

O eleitor é manipulado, dizem.

Em outras palavras, para esses sabichões, o povo não passa de idiota.

Talvez estejam mesmo certos.

O fato é que em nosso sistema eleitoral o voto do idiota vale tanto quanto o voto do gênio.

E a única maneira de impedir que os idiotas elejam a escória política é transformá-los em pessoas normais, que fazem uso da razão, que têm noções básicas da lógica, que sabem que hoje em dia toda a informação do mundo está ao seu alcance num smartphone que custa R$ 400 e pode ser comprado - ainda - em dez ou mais prestações.

Mas não será num passe de mágica que os idiotas deixarão de ser idiotas.

Para que isso ocorra será preciso percorrer um longo e sinuoso caminho, um trabalho para várias gerações.

Esse caminho chama-se Educação, mas não essa que os idiotas pregam, e sim aquela que faz do homem alguém que, se não chega a entender completamente o seu papel no mundo, sabe, ao menos, que sua presença nele é importante para que ele seja um lugar melhor para todos. (Carlos Motta)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…