Pular para o conteúdo principal

Mas por que esse ódio todo?

Algo que me intriga profundamente e que se apresenta como um dos maiores mistérios desta vida é o ódio que muitas pessoas têm por determinados símbolos. 

Não estou falando de coisas, fatos ou situações concretas e objetivas.

Entendo perfeitamente que alguém odeie outra pessoa que a prejudicou, que a machucou física ou psicologicamente.

Nada mais normal que um sujeito tenha ódio de uma empresa que o enganou na venda ou contratação de um produto ou serviço.

Estou me referindo a esse ódio que a gente vê por aí, em pessoas que conhecemos, que até outro dia pareciam ser cordiais, e que agora só pensam em exterminar da face da Terra petistas, comunistas, bolivarianos, esquerdistas, homossexuais, nordestinos, negros, pobres, palmeirenses, corintianos...

Homens e mulheres aparentemente normais, mas que falam e escrevem e agem como se fossem psicopatas.

Fico pensando: mas que mal fizeram a esse povo os petistas, os comunistas, os bolivarianos, os homossexuais, os nordestinos etc etc, para que eles sejam detestados a ponto de ser até pedida a sua morte?

Não conheço, por exemplo, um indivíduo sequer, pobre, remediado, classe média ou rico, que tenha piorado de vida nos últimos anos, nesse período em que se esboçou no país uma social-democracia.

Foram, na minha modesta opinião, os anos em que o Brasil mais respirou ares democráticos - e, convenhamos, isso não é pouca coisa.

Não consigo entender essas manifestações de ódio porque sou um velho que vive de recordações e se lembra do tempo em que um dos maiores prazeres que tínhamos era a gente se reunir num boteco, tomar umas cervejas e passar horas discutindo desde o gol anulado do último Palmeiras x Corinthians até se o recém-fundado Partido dos Trabalhadores era de fato socialista, e, se fosse, que socialismo pregava para o Brasil.

E nessas discussões havia de tudo: jornalistas duros de dar dó, burgueses entediados com a vida, anticomunistas extremados, músicos desiludidos com o mercado, estudantes pretensiosos, alcoólatras irrecuperáveis, e até policiais descontentes com a ditadura militar.

Todos discordavam de todos, mas ninguém ameaçava o outro de morte.

Bons tempos...

Comentários

  1. Também não entendo, o meu dentista até hoje fica mandando manchetes da Veja e da Istoé até hoje como se fosse verdade, e baba ódio contra o PT e a Dilma, coisa inacreditável, o sujeito vive em outro mundo, incrível isso!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…