Pular para o conteúdo principal

Uma noite no Rio com Dias Gomes


O coletivo Os Queridos de Guilherme, formado a partir de Oficinas Práticas de Teatro no
Gabinete de Leitura Guilherme Araújo, coordenado pela atriz e diretora Rose Abdallah,
localizado na casa onde o célebre empresário e produtor musical morou, em Ipanema (Rua Redentor, 157), apresenta a leitura dramatizada da peça “A Revolução dos Beatos”, de Dias Gomes, amanhã, terça-feira, às 20 horas.


Peça de Dias Gomes escrita (Saramandaia, Roque Santeiro, Bem-Amado, O Pagador de
promessas) em 1962 usa os personagens do Bumba meu Boi para traçar um paralelo a
facilidade em que o povo faminto e sem qualquer orientação se deixa conduzir pelo fanatismo religioso ao ponto de beatificar um boi dado de presente ao padre Cícero.


Como em outras criações Dias Gomes apresenta um personagem político inescrupuloso,
Dr. Floro , que toma proveito do fanatismo e da fé desesperada de Juazeiro para poder alcançar suas vontades políticas e pessoais. Apesar do texto ter sido escrito há mais de 50 anos, ele retrata características da sociedade brasileira até hoje, aonde a religiosidade e a ignorância manipulam grande parte da população e fortalecem políticos gananciosos.


A última montagem de A Revolução dos Beatos foi realizada no Rio de Janeiro (1998) pelo Grupo Varal com direção de Paulo Feitosa. O autor (Dias Gomes) assistiu ao espetáculo, no Teatro Maria Clara Machado, e presenteou o grupo com toda sua obra autografada. Alguns atores da montagem participarão da leitura.


O diretor, Alexandre Lino, é um dos nomes de maior empreendedorismo do atual cenário cultural carioca. Idealizou e produziu recentemente o premiado espetáculo “Chica da Silva, o Musical”; dirigiu “Volúpia da Cegueira”, que após bem-sucedida temporada no Rio e em São Paulo, fará circulação pelo Projeto Petrobrás. Dirigiu também a adaptação para o teatro do aclamado romance “Eles Eram Muitos Cavalos” de Luiz Ruffato e o musical “Cafona sim, e daí?” homenagem a Sergio Britto. Atualmente está em cartaz com o “O Porteiro”, comédia indicada ao novo Prêmio de Humor criado por Fabio Porchat, na categoria Melhor 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…