Pular para o conteúdo principal

TV paga exibe série sobre história em quadrinhos


A PlayTV estreia nesta terça-feira, 12 de junho, com exclusividade na TV paga, a série Caminhos da HQ. A série dá continuidade à parceria entre o canal por assinatura e o Instituto Itaú Cultural. “Desde 2013 exibimos conteúdos produzidos pelo Itaú Cultural. A série ‘Rumos da Música’ tem excelente qualidade técnica e mostrava nomes importantes da cena musical nacional, com um enfoque destacado dos grandes centros, o que para nosso viés musical sempre foi muito interessante: falar com todo Brasil", diz o gerente de Programação e Produção da PlayTV, Rodrigo Lariú. "Em 2016 aprofundamos a parceria com o Instituto, ganhando exclusividade na TV paga para seus conteúdos, que antes eram exibidos em vários outros canais. Acredito que a enorme distribuição nacional da PlayTV agradou ao Instituto. Esta nova série sobre quadrinhos certamente vai agradar o nosso público nerd.”

Serão 12 episódios, exibidos sempre às terças-feiras, às 22h30, com cinco reprises semanais no mesmo horário. O conteúdo da série foi produzido em 2016, durante o ciclo de debates nos dias 2, 9 e 16 de agosto com os principais quadrinistas brasileiros, abordando as fases da produção de quadrinhos, referências e a influências da HQ japonesa na arte como se desenvolve no Brasil.
 

PlayTV  é um canal de conteúdo jovem, que tem como carro chefe os animes e uma grade voltada para a música, tecnologia e games.  Sua programação hoje está disponível pelos canais da TV paga NET-122, SKY-181, OI-143, ClaroTV-118, Vivo 255. O canal tem como foco assuntos segmentados de música, como o K-Pop, em tecnologia como hackers e geeks, em cultura pop como a série Geek e a série Bunka Pop.

Serviço

Caminhos da HQ (estreia terça, 12 de junho, às 22h30)
Episódios inéditos toda terça, às 22h30
Duração dos episódios: 15 minutos cada.
Reprises: quintas e sábados, às 22h30.
Segundas, quartas e sextas, às 15h30
Classificação etária: Livre

Episódio 1: Produção Independente  - A atuação dos artistas independentes no atual mercado brasileiro de histórias em quadrinhos é o foco deste vídeo, que conta com depoimentos de Ana Recalde, Carol Rossetti, Cris Eiko, Daniel Esteves, Fábio Coala, Germana Viana, Klebs Junior, Marcatti e Marcelo D'Salete. Os quadrinistas falam sobre sua produção, eventos, formas de financiamento, divulgação e HQs para a internet (webcomics).
 

Episódio 2: Mulheres e HQ - O vídeo destaca o protagonismo feminino nas histórias e também nos bastidores dos quadrinhos, com depoimentos das quadrinistas Ana Recalde, Cris Eiko, Carol Rossetti e Germana Viana. As autoras falam de suas opções artísticas, diversidade e feminismo, além do trabalho de outras artistas e coletivos.

Episódio 3: Alexandre de Maio - Especialista em jornalismo em quadrinhos, Alexandre de Maio fala de sua formação, suas influências (nas HQs e no jornalismo) e seu processo criativo. Comenta o trabalho com temas sociais e esportivos, seu olhar crítico, a preocupação com um traço realista e parcerias. Apresenta ainda algumas de suas HQs: Meninas em Jogo, Desterro (Favela Chaos na França); e O Jabuti Resiste.
 

Episódio 4: Ana Recalde - A roteirista e editora de HQs conta como tomou gosto pelos quadrinhos quando criança, em Campo Grande (MS), trata de sua formação e suas influências, dentro e fora dos quadrinhos, e seu processo de criação. Conta também do Pagu Comics, selo de quadrinhos que edita, feito só por mulheres, com artistas como Germana Viana, Milena Azevedo, Cris Peter entre outras.
 

Episódio 5: Carol Rosseti - Ilustradora, designer e quadrinista, a mineira Carol Rosseti trata de seus trabalhos com ilustração, como seu projeto Cores, voltado para crianças. Conta sobre seu início no mundo dos quadrinhos, suas influências - que passam por artistas como Will Eisner e Dave Mckean. Fala ainda de seu processo de criação e produção e da importância do feminismo e diversidade em seu trabalho recente.

Episódio 6: Cris Eiko - A quadrinista paulista Cris Eiko, que faz histórias em quadrinhos autobiográficas com Paulo Crumbim,  conta que iniciou nos quadrinhos fazendo fanzines. Fala sobre suas influências, tanto dos mangás como quadrinhos norte-americanos e animação. Explica um pouco como funciona a parceria com Crumbim, que costuma produzir tanto os roteiros como layouts das histórias, cabendo a ela os desenhos. Trata ainda de processos de viabilização, como editais e financiamento coletivo, e apresenta alguns de seus trabalhos: Penadinho: Vida e a série Quadrinhos A2.
 

Episódio 7: Daniel Esteves - Roteirista, professor de história em quadrinhos e editor do selo Zapata Edições, Daniel Esteves conta sobre sua formação em Desenho Técnico de Comunicação e em História. Revela influências dos roteiristas ingleses Alan Moore e Neil Gaiman e dos brasileiros André Diniz e Gian Danton, entre outros. Explica como costuma decupar as histórias, analisar se vai ser uma revista ou um livro e o que é necessário para a produção, e só depois pensa em cada cena e nos diálogos. Fala também de formas de viabilização de trabalhos e apresenta as HQs Km Blues, Por mais um dia com Zapata e a série São Paulo dos Mortos.
 

Episódio 8: Fábio Coala - O quadrinista e ilustrador Fábio Coala conta que começou a desenhar na infância e até trabalhou como bombeiro antes de se formar em publicidade e começar a se dedicar aos quadrinhos. Fala de influências de Laerte, Angeli, Glauco e, especialmente, Fernando Gonsales. Trata de humor, processo de criação e fala de seu personagem Monstro, de seu site Mentirinhas, de publicações na internet e apresenta alguns de seus quadrinhos.
 

Episódio 9: Germana Viana  - A quadrinista Germana Viana relata seu início nos quadrinhos, começando nos bastidores (agenciando artistas e letreirando), e como finalmente tomou coragem de produzir suas próprias obras. Fala de suas influências e comenta a representação da diversidade em suas personagens. Conta ainda um pouco sobre seus quadrinhos: a série Lizzie Bordello e as Piratas do Espaço, a coletânea SPAM e As Empoderadas, série que lançou o Pagu Comics, selo de quadrinhos feito só por mulheres.
 

Episódio 10: Klebs Junior - O desenhista, quadrinista, agente, professor e empresário Klebs Junior destaca o apoio dos pais e a ausência de opções para formação específica na infância, no interior de São Paulo. Fala de suas opções artísticas e seu trabalho como agente, editor e professor de quadrinhos, preparando autores para os mercados nacional e internacional, compartilhando experiências e técnicas aprendidas ao longo dos anos. Klebs comenta ainda o momento das HQs no país, a importância da tecnologia na produção e difusão das obras.

Episódio 11: Marcatti  - O quadrinista paulistano Francisco Marcatti comenta sua produção de HQs escatológicas, inspirados nos quadrinhos underground norte-americanos, no cinema e na literatura. Revela como é metódico em seu processo de criação, que vai da roteirização e desenho da HQ até a impressão, feita numa impressora prória e operada por ele mesmo. O autor trata ainda de alguns de seus trabalhos, como a parceria com o músico João Gordo na produção de HQs e capas de discos para o grupo Ratos do Porão.
 

Episódio 12: Marcelo D’Salete - Quadrinista, professor e pesquisador de arte afro-brasileira, Marcelo D`Salete conta que seu interesse por quadrinhos surgiu na época do colégio, como começou a desenhar com seu irmão e depois estudou roteiro de HQ e cinema. Fala de suas referências nas artes visuais, cinema e música e também das leituras e grupos importantes em sua formação relacionada a questões raciais e sociais. O autor explica seu processo de produção e comenta trabalhos como Encruzilhada e Cumbe, esta última publicada também em Portugal e França.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…