Pular para o conteúdo principal

Laila Garin e A Roda vão gravar primeiro DVD


Saudado pela imprensa em seu lançamento, no ano passado, o primeiro álbum de Laila Garin e A Roda está prestes a ganhar um novo formato. Será lançado em DVD, em uma gravação dirigida por Ney Matogrosso.
 
No dia 5 de dezembro, no Teatro Opus (Av. das Nações Unidas, nº 4.777, Alto de Pinheiros, 4º piso, Shopping Villa Lobos, São Paulo), Laila, Ricco Vianna (guitarra e violão), Rick De La Torre (bateria) e Marcelo Muller (baixo), que juntos formam a  banda Laila Garin e A Roda, mostram canções do álbum e do DVD, de compositores consagrados como Caetano Veloso (Eu não me arrependo), Alceu Valença (Na primeira manhã), Roberto e Erasmo e Chico Buarque (As curvas da estrada de Santos), e também de novos compositores, como Renato Luciano, Juliano Holanda, Dani Black e Moyseis Marques. É um projeto de intérpretes, ao mesmo tempo muito autoral. Os arranjos são todos feitos pelos quatro integrantes da banda.

Conhecida do grande público por sua performance marcante em Elis, a musical, Laila Garin decidiu incluir no roteiro desse show um medley extraído de outro espetáculo, no qual canta sucessos da Elis ao lado da Roda. O público vai ouvir canções como Como Nossos Pais, Upa Neguinho, Conversando no Bar e Ponta de Areia, entre outras, em novas versões e arranjos originais da Roda.

Os versos iniciais de Baioque (Chico Buarque), incluída no projeto, dão a pista do que o público pode esperar de Laila Garin e A Roda (“O meu canto, punhalada, não conhece o perdão…”). “Quando eu canto eu me sinto como uma espécie de porta-voz de uma alma comum. Vivemos num tempo onde ninguém mostra muito suas emoções, suas fragilidades. Este show é pra ficarmos todos a flor da pele. No palco e a plateia”, diz a cantora.
 

Sobre Laila Garin

Recentemente, participou do musical Dois Filhos de Francisco, no papel de Helena. Protagonizou a adaptação do musical de Chico Buarque e Paulo Pontes, Gota D'agua a Seco, atuação pela qual ganhou o Prêmio Cesgranrio de Melhor atriz em musical e foi indicada ao prêmio APCA de melhor atriz. Foi protagonista do espetáculo Elis, a Musical, de Nelson Motta, com direção de Dennis Carvalho. 

Laila foi também cantora-intérprete da trilha sonora do seriado da TV Globo Amorteamo. Participou cantando do documentário Chico - O Artista e O Tempo e da série Nelson 70, em comemoração aos 70 anos de Chico Buarque e Nelson Motta, respectivamente. Em 2013, apresentou-se com o espetáculo musical Gonzagão - A Lenda de Joao Falcão. Novamente na TV Globo, esteve no ar como atriz na série Sob Pressão, nas novelas Rock Story e Babilônia. Fez participações em A Grande Família, Louco Por Elas, Força Tarefa e Som Brasil. Em breve para sua estreia na segunda temporada da série da Netflix, 3%.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…