Pular para o conteúdo principal

Circo Tihany estreia turnê brasileira em Chapecó


O circo Tihany Spectacular chega ao Brasil e inicia sua turnê nacional em Santa Catarina. Chapecó será a primeira cidade a receber o espetáculo “AbraKdabra”, com a nova data de estreia: 5 de junho, às 20h30. Criador de um novo conceito estético dentro do circo, com elevados níveis de elegância, plasticidade e beleza, sempre em busca de modernizar essa arte milenar, o Tihany reúne dança, acrobacia, comicidade e ilusionismo, incorporando elementos tecnológicos. 

A temporada em Chapecó tem previsão de término em 8 de julho, seguindo então para Curitiba (PR). As apresentações serão de terça a quinta às 20h30; sextas e sábados às 17h e 20h30; e domingos e feriados às 14h, 17h e 20h30. Os ingressos estão à venda pelos sites www.circotihany.com.br/ingressos, www.eventim.com.br e na bilheteria do circo. 


Terceiro maior circo do mundo e o maior da América Latina, com mais de 60 anos de atividades e 100 milhões de espectadores, o Tihany Spectacular realizou apresentações em cerca de 600 cidades espalhadas por 50 países no mundo. Fundado em 1954 em Jacareí (SP) pelo imigrante húngaro Franz Czeisler, conhecido como Tihany, sempre aliou a arte tradicional à tecnologia, conquistando públicos de todas as idades e de diferentes classes sociais.


Na atualidade, é um dos poucos espetáculos que une técnicas circenses, music hall e atos impressionantes de mágica, dignos dos melhores cassinos de Las Vegas. A magia é o ponto alto do espetáculo. No Tihany, pode-se voar. O ilusionista faz o espectador acreditar no teletransporte. É possível apreciar um autêntico Rolls-Royce e presenciar o desaparecimento de motocicletas e de 40 artistas diante dos olhos dos espectadores e o surgimento mágico, em apenas três segundos, de um helicóptero no centro do palco.


O ilusionista oficial do circo é Richard Massone, herdeiro artístico de Franz Czeislere e também atual diretor-geral do circo. Foi contratado há mais de 30 anos para ser backup do mágico Tihany, com quem apreendeu os números de magias e ilusionismo. “O ilusionismo é uma das principais atrações do espetáculo em que tudo é possível, desde a aparição de um helicóptero até a levitação de assistentes. É um grande show que só podemos ver em Las Vegas.” Participa também do espetáculo o ilusionista Romano Garcia, que há 14 anos está no Tihany e é sucessor de Richard Massone.


Considerado um dos mais famosos ilusionistas de todos os tempos, Tihany foi consagrado como o Mago dos Magos. Entre tantos títulos, foi nomeado Embaixador Mundial do Circo, outorgado pela família Real de Mônaco, Doutor Honoris Causa pela Universidad Mesoamericana de Puebla, no México, e presidente do júri honorário do Internacional Circus Festival of Budapest, na Hungria.


Em 18 atos originais, o Tihany Spectacular fará o público viver uma nova experiência, despertando a capacidade de sonhar. Visto em mais de 50 países, o espetáculo reúne 50 artistas internacionais vindos de países como Rússia, China, Mongólia, França, Inglaterra, Moldávia, Bulgária, México, Estados Unidos e Ucrânia, entre outros, e multipremiados nos melhores festivais mundiais de circo como os de Monte Carlo, Paris, China e Moscou.


O mágico show AbraKdabra, que iniciou sua turnê na cidade de Las Vegas, obteve êxito de público e crítica em toda América Latina e retorna ao Brasil após temporada nas principais cidades de Paraguai, Uruguai e Argentina, com realização e produção da D’Color Produções Culturais.


As apresentações são realizadas em terreno de 14 mil metros quadrados, que conta com quatro tendas e capacidade para receber, na plateia, quase 2.000 pessoas sentadas em um ambiente confortável, luxuoso e com ar condicionado. O show tem duas horas e 20 minutos de duração, com estafe composto por 123 profissionais de 25 nacionalidades. 


Um megapalco de 900m² substitui o tradicional picadeiro e 9 cenários temáticos dão um toque especial ao show. O piso, forrado com tapete ao estilo das casas de shows e cassinos de Las Vegas, e as cadeiras revestidas com veludo vermelho transformam a lona em um castelo mágico. O circo conta com nove acessos para o público e total acessibilidade para pessoas com necessidades especiais. Há também, um lobby bar para recepcionar o público com seus imponentes lustres suspensos, tipo chandeliers, piso italiano e poltronas aveludadas. Toda a estrutura é transportada em 40 carretas e 28 trailers moradia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…