Pular para o conteúdo principal

Casa Museu Ema Klabin "hospeda" artistas contemporâneos


A Casa Museu Ema Klabin (Rua Portugal, 43, Jardim Europa, São Paulo), está iniciando a série Hóspede, com curadoria de Gilberto Mariotti. Nela, o artista instala uma de suas obras que deve ter relação com o acervo da Casa Museu.

A primeira artista a hospedar sua obra na Casa Museu Ema Klabin será Guga Szabzon, com seu trabalho “Dilema” (2015). Sua obra ficará no quarto de Ema Klabin, ao lado do quadro “Rebanho em Repouso”, de Lasar Segall (1944).  A obra será montada pela própria artista no sábado, dia 16 de junho, às 14 horas. Após a instalação a artista conversa com o público sobre seus trabalhos autorais pelo Programa Arte-Papo.

Junto à instalação haverá um texto do curador Gilberto Mariotti falando sobre a relação entre as duas obras, a contemporânea “Dilema”, de Guga Szabzon (2015) e “Rebanho em Repouso”, de Lasar Segall (1944).  O público também poderá conferir no site do museu uma montagem fotográfica da instalação da obra e um texto crítico sobre a exposição.

Segundo o coordenador de Artes Visuais da Casa Museu Ema Klabin, Renê Foch, além da série Hóspede e do programa Arte-Papo, a Casa Museu Ema Klabin conta com outros projetos de arte contemporânea, como Jardim Imaginário, Backdrop grafite, e a série Intervalo Contemporâneo.

O museu ainda abriga um acervo permanente com mais de 1.500 obras de grandes mestres da arte mundial, entre pinturas do russo Marc Chagall e do holandês Frans Post, dos modernistas brasileiros Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Portinari e Lasar Segal; talhas do mineiro Mestre Valentim, mobiliário de época, peças arqueológicas e decorativas.

A artista

Guga Szabzon (São Paulo, 1987) é artista e educadora, formada em artes plásticas (FAAP) e em licenciatura(FPA). Trabalhou na Fundação Leonilson (2007). Ministrou aulas de artes para crianças no Instituto Tomie Ohtake (2007 a 2010). Trabalhou na área de formação de professores da rede pública e na coordenação dos ateliês da 29° e da 30° Bienal de SP (2010 e 2012). Foi educadora do instituto Acaia (2014 a 2017).

Como artista, realizou diversas exposições individuais na Casa Samambaia, Galeria Transversal e na Galeria Superfície. Participou de exposições coletivas no Centro Cultural SP (CCSP), na Galeria Mendes Wood, no espaço cultural Santander e no Sesc Pompéia. Trabalhou como assistente dos artistas João Loureiro, Ana Luiza Dias Batista e Runo Lagomarcino. Atualmente seu trabalho é representado pela Galeria Superfície.

O texto do curador Gilberto Mariotti

Isto ou aquilo

Tantas vezes o resultado de uma resolução não apaga traços deixados pelo dilema que a envolveu e a ela deu lugar. Ficam visíveis linhas da topografia que envolve a tentativa de sobreposição, o relevo que resulta das investidas contra o que resiste. A pedra que se pretendia pôr sobre o assunto oprime o terreno e produz nele novos contornos.  Resta o próprio desenho do esforço envolvido. O observador que antes se debruçava sobre seu objeto, agora é terreno que o abraça e envolve. O “repouso” descrito no título de Lasar Segall pode valer para o “rebanho”, mas os tons de terra e campos de cor foram revolvidos, nos deixando ver o rastro de uma cisão, sinal da tentativa de conciliação entre o que se afirma e o que, excluído, inevitavelmente retorna.

“Dilema, a verdade que, dividida, se reproduz infinitamente aos pares, em espelhos que se encaram sem se reconhecerem. Também este trabalho de Guga Szabzon é substituto de outro, sem, no entanto, se sobrepor a ele. Uma nova versão que, por se fazer presente, torna-se representante mais verossímil de uma série de tentativas de repetir o irrepetível. Mas já não importa: nesta costura, as linhas se sobrepõem sem que se apaguem mutuamente. Não pretendem reconciliar as partes envolvidas, apenas expor o insolúvel e nomeá-lo: dilema. Como um aviso, ou bandeira de rendição feita do plano em que o jogo chegou a um impasse, do chão com o qual contávamos quando soubemos que tudo mudaria, da mesa em que compartilhamos um café doce ou amargo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…