Pular para o conteúdo principal

Bia Goes apresenta o Brasil em canções


Dia 30 de junho, sábado, Bia Goes apresenta no Sesc Belenzinho seu novo show, o "Brasil em Canções", onde expõe a riqueza das nuances na música brasileira. Em única apresentação, Bia recebe como convidado o cantor Gabriel Satter, que fará participação especial.

A direção musical do show é de Ricardo Valverde, que com o vibrafone também faz parte da banda que acompanha Bia, ao lado de Rodrigo Carneiro no violão sete cordas, Thiago Alves no baixo acústico, e Paulinho Vicente na bateria.

"Brasil em Canções" traz um rico panorama de ritmos, fazendo também um resgate na história da música brasileira.  Bia percorre o Brasil urbano e o da roça, o nordestino e o Brasil mundo afora com a bossa nova, o samba canção, forró e a música caipira, em canções imortalizadas pelo rádio brasileiro.

No repertório, músicas como O Mundo Não se Acabou, rememorando Carmem Miranda, Milhões de Estrelas (de Gabriel Satter), Romaria (Renato Teixeira), Coco Sincopado (João da Silva), Feira de Mangaio (Sivuca), Inútil Paisagem (Tom Jobim) e Lapinha (Baden Powell/ Paulo César Pinheiro), passando ademais por autores como Ary Barroso, Noel Rosa, Cascatinha e Inhana. Nessa viagem musica, cabe ainda composições autorais como Flor De Sal, parceria de Bia com Ricardo Valverde.

"O show Brasil em Canções representa pra mim um mergulho nas melhores memórias musicais da minha carreira", diz a cantora. 

Cantora e compositora, Bia usa a voz de forma versátil. Iniciou sua carreira onde lhe era mais familiar, na música instrumental e como improvisadora, ambiente desafiador aos cantores, estimulada pela sua origem em “berço" musical privilegiado: a cantora é filha da pianista Silvia Goes e do multi-instrumentista Arismar do Espírito Santo, considerado um dos melhores contrabaixistas do Brasil. Essa versatilidade lhe permite transitar por diversos estilos e ritmos, do instrumental à canção popular.

Na discografia, Bia tem dois discos gravados. No primeiro, “Três em 3x4” (2011), resgata valsas brasileiras, lançado em trio com Silvia Goes e Ricardo Valverde, onde também toca flauta transversal. 

O segundo foi sua estreia solo, "Bia Goes" (2013), dedicado à cultura nordestina, com produção de Ricardo Valverde e participação especiais de Dominguinhos, Oswaldinho do Acordeon, Silvia, Zezinho Pitoco, Heraldo do Monte e Luizinho 7 cordas. Bia gravou com originalidade baião, forró, chula, xote, xaxado e arrasta pé, e dele criou o show "Todo Mundo Quer Dançar Baião". Seu disco solo a levou para shows em Lisboa, Itália e a ser finalista do Prêmio da Música Brasileira (2014), indicada como melhor cantora regional.  


Em sua trajetória participou de projetos musicais variados, como a homenagem à Inezita Barroso na Sala São Paulo, dividindo palco com Jair Rodrigues, Toquinho e outros grandes representantes de nossa cultura popular. Deu voz à Carmem Miranda no show “De Assis Valente para Carmem Miranda”, com arranjos de Luizinho 7 Cordas. Ao lado da mãe, reavivou a gafieira dos bailes com a Banda da Patroa. Acompanhou o sanfoneiro Oswaldinho do Acordeon por dois anos e já se apresentou também com Toninho Horta e Sérgio Britto (Titãs), que participou do embrião do que veio a ser este show atual.

Recentemente se apresentou com a cantora Tiê e Ricardo Valverde no projeto 60 anos da bossa nova. O mais novo show "Brasil em Canções" deve resultar na gravação do seu próximo disco.

Serviço

Data: 30/06/2018
Sábado, às 21h
Local: Sesc Belenzinho - Teatro
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000 Belenzinho – São Paulo
Telefone: 11 2076-9700
Duração: 90 minutos
Capacidade: 392 lugares
Classificação indicativa: Livre, recomendado para maiores de 12 anos.
Acesso para deficientes
Ingressos: R$ 20,00 (inteira), R$ 10,00 (meia entrada previstas por lei, com comprovante), R$ 6,00 (trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciados no Sesc e dependentes). 
Venda pelo Portal Sesc SP (www.sescsp.org.br), a partir de 19/06, e nas unidades a partir de 20/06.
Estacionamento/para espetáculos com venda de ingressos após as 17h: R$ 15,00 (não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC - trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo/ usuário).


Canais Bia Goes
Facebook: https://www.facebook.com/BiaGoesOficial
Instagram: https://www.instagram.com/biagoes
E em canais como Spotify, Deezer, Google Play e  iTunes.

Ouça/conheça mais de Bia:
Doc/Sotaques do Brasil: https://www.youtube.com/watch?v=F0x-SLNPV48
https://www.youtube.com/watch?v=K4jtwKu95TA
Programa Ensaio: https://www.youtube.com/watch?v=TNTkp-wOsmk

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…