Pular para o conteúdo principal

Banda de rock progressivo lança novo CD


Mais um grande espetáculo vai engrossar o cenário do rock progressivo em Niterói, que vem recebendo ícones do gênero, desde bandas internacionais, como Focus e Locanda Delle Fate, a brasileiras de alta extirpe, como os paulistas do o Som Nosso de Cada Dia e os cariocas do Vitral. Desta vez, no sábado, dia 9 de junho, o palco do Teatro Municipal de Niterói vai receber a banda Caravela Escarlate, que estará lançando seu segundo CD (homônimo).

O show é uma realização da recente parceria entre as produtoras cariocas Vértice Cultural e a Beprog. O grupo é uma concepção do multi-instrumentista e compositor David Caravelle, formada no Rio de Janeiro no início da década de 1990. A base do som do grupo é a confluência da musicalidade do rock progressivo europeu com o lirismo da música brasileira. 

Com formações inconstantes em seus primeiros anos, a banda surge de forma fixa a partir da parceria com o tecladista Ronaldo Rodrigues (ex-Massahara, ex-Módulo 1000, atual Arcpelago), em 2011. Depois de contar com diversas formações em trio, o line-up da banda se estabiliza em 2016 com o veterano baterista Élcio Cáfaro, reconhecido músico acompanhante de grandes nomes da MPB (já tocou com Cássia Eller, Chico Buarque, MPB4, Boca Livre, Edu Lobo e muitos outros). 

Como duo, David e Ronaldo gravaram no primeiro semestre de 2016 o primeiro álbum, intitulando “Rascunho”, explorando a faceta acústica de sua musicalidade e as fortes influências da música do Clube da Esquina. 

Já em 2017, o repertório em trio da banda é registrado no Estúdio Mata (Niterói, RJ), com todas as bases gravadas ao vivo, apresentando toda a parafernália de sintetizadores e poderosas interações entre bateria e baixo. O trabalho de gravação se concluiu em cerca de 40 horas, sob a engenharia de som do produtor Sergio Filho, e o lançamento em CD contou com a parceria na produção executiva da produtora carioca Vértice Cultural.

 O disco vem ganhando fortes elogios da crítica especializada no Brasil e no exterior e nos próximos meses o CD será lançado internacionalmente pelo selo europeu Karisma Records, da Noruega. Uma das poucas bandas brasileiras com um importante selo europeu dando suporte ao trabalho da banda.

Serviço
9/6, sábado  
Teatro Municipal João Caetano em Niterói
Endereço: Rua XV de Novembro, 35 - Centro - Niterói
Horário: 20 horas
Informações: 2620-1624
Classificação etária: Livre

Ingressos:
Setor Verde: R$ 80,00
Setor Amarelo: R$ 60,00
Setor Vermelho: R$ 30,00

Comprar online:
https://www.ingressorapido.com.br/event/7150/d/30431

Youtube – Caravela Escarlate – música “Cosmos”
https://www.youtube.com/watch? v=1UH6S1MSMBo&feature=youtu.be

Vértice Cultural: https://www.facebook.com/verti ceculturaleartistica/
BeProg - http://beprogrock.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…