Pular para o conteúdo principal

As vantagens da pobreza


Carlos Motta

Nem só de Cesar Menottis e Fabianos vive a música sertaneja. Há também artistas de verdade que não só mantêm a tradição do gênero, um dos mais populares do país, como o levam a um alto nível de criatividade. 

Esse é o caso dos irmãos Zé Mulato e Cassino, mineiros radicados em Brasília, na estrada há mais de 30 anos, e autores de cerca de 100 canções que sintetizam a enorme  e variada produção dos cultores desse tipo de música.

A obra da dupla contém tudo de melhor da música sertaneja - ou caipira. Há a saudade ocasionada pela perda do paraíso perdido - o bucólico sertão, trocado pela aspereza das cidades -, a melancolia trazida pelos amores inalcançáveis, observações do absurdo da vida moderna, pitadas de sabedoria do povo, e muito bom humor.

Zé Mulato e Cassiano não são, portanto, como a quase totalidade dos cultores desse pavoroso "sertanejo universitário", ou simplesmente "sertanojo", monotemáticos, repetitivos e desprovidos de qualquer centelha criativa.

São, isso sim, um dos mais bem acabados produtos da cultura popular brasileira, essa que teima em resistir aos avanços cada vez mais violentos da indústria de entretenimento do império americano.

No vídeo, Zé Mulato e Cassiano apresentam "As Vantagens da Pobreza", uma música bem adequada a este momento do país.

https://www.youtube.com/watch?v=nokXtV2Tzvk

Eu tenho pena de quem vive na riqueza
Que não conhece as vantage da pobreza
O rico fuma um charuto de havana
Gasta dinheiro, tem estatu, é bacana
E o pobre pita palha com fumo caiana
Cada tragada tosse quase uma semana
Mas cá pra nóis, isso tudo é ilusão
Pois afinal todos dois suja o pulmão


Eu tenho pena de quem vive na riqueza
Que não conhece as vantage da pobreza
Se nóis os pobre não tiver bom coração
Raça de rico vai entrar em extinção
Dinheiro faz os rico esquecer do que é bão
Isso atrapalha inté a procriação
Fio de pobre é só rendendo igual cupim
Muié de rico só produz um torriquim


Eu tenho pena de quem vive na riqueza
Que não conhece as vantage da pobreza
Se a bolsa cai ou se deixa de cair
Se ela sobe o pobre não ta nem ai
Mas essa coisa não deixa o rico dormir
O pobre do rico não pode nem se divertir
Com tanta grana ele nem liga pra muié
Enquanto o pobre não abeia do tigé


Eu tenho pena de quem vive na riqueza
Que não conhece as vantage da pobreza
Mineiro pobre tá vivendo sossegado
Porém o rico governador do estado
Num tem dormido e muitas vez tem chorado
Deve ser praga de algum aposentado
A do calote ele já conhece de cor
Ih, tava mar compadi, agora ficou pior

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…