Pular para o conteúdo principal

Teatro Opus comemora 1º ano de atividades com show dos Titãs


O Teatro Opus completa seu primeiro ano de atividade. Localizado no 4º piso do Shopping Villa-Lobos, a charmosa casa de espetáculos contou com 46 eventos, 232 sessões e gerou uma circulação de aproximadamente 130 mil pessoas. Com uma programação variada, alguns destaques mostram a versatilidade do espaço, que foi palco de premiações, debates, música e cênicas, eventos corporativos, orquestras e eventos gratuitos.

Alguns destaques ao longo desse um ano foram a gravação do programa Saia Justa, a premiação Bola de Prata e o Samsung Blues Festival, além de humorísticos com Carioca e temporadas de musicais como Garota de Ipanema - O Musical da Bossa Nova, Cassia Eller - O Musical e Castelo Rá-Tim-Bum. Sem esquecer da Bachiana Filarmônica Sesi SP, com regência do maestro João Carlos Martins.

O projeto Portas Abertas foi uma das grandes propostas do ano de inauguração. Com realizações desde dezembro do ano passado, o projeto já atingiu a marca de 10 shows gratuitos no deck do foyer, durante o pôr do sol. Entre os nomes que garantiram o sucesso de público aos finais de tarde no teatro estão Kiko Zambianchi, Beatles para Crianças, Thiago Espirito Santo, Milton Guedes, entre outros. Esse primeiro ano também foi marcado por parcerias de muito sucesso como foi o caso de Mauricio de Sousa e os espetáculos infantis de A Turma da Mônica.

Para comemorar o primeiro ano de operação, o Teatro Opus recebe de volta a banda Titãs, que protagonizou o show de abertura do espaço. O grupo está de volta para uma apresentação especial: a gravação do DVD da ópera-rock “Doze Flores Amarelas”. Em formato que valoriza o intimismo e a proximidade com o público, o evento será realizado neste sábado, 12 de maio.

Além disso, Almir Sater e Renato Teixeira, As Quatro Estações de Vivaldi, Banda Fly com Melim e Pedro Tomé, Viva Wander Taffo, O Show da Luna – O Musical e Tiquequê – Barulhinho, Barulhão são as atrações que fazem parte das comemorações.

O OpusLab, programa de aulas de teatro musical em parceria com a Oficina dos Menestréis, também está em andamento no espaço. Sucesso em Porto Alegre, o OpusLab promove experiência cultural e criativa para crianças e jovens dentro do Teatro do Bourbon Country (RS). Entre as habilidades desenvolvidas estão: comunicação, empatia, expressão corporal, dicção, vocalização, oratória, entre muitas outras possibilidades.

O teatro, com 1.800m², tem capacidade para 751 espectadores, divididos em três setores: Plateia Baixa, Plateia Alta e Balcão Nobre.

Ficha técnica


Capacidade total: 751 lugares
Plateia Baixa: 200 lugares
Plateia Alta: 397 lugares
Balcão Nobre: 123 lugares
Palco italiano: 290,63m2
Profundidade total do palco: 12,7m
Boca de Cena: 12m de largura x 6,8m de altura
Coxia direita: 5m de largura
Coxia esquerda: 5m de largura
Curso Vara de cenário: 14,25m
Urdimento: 268,85m2
Altura do Urdimento:15,15m
Vestimentas cênicas completas com veludos de alta qualidade
Passarelas técnicas

Área Total do Teatro: 1890,19m2
Total sala de espetáculo (palco, proscênio e plateia): 881,88m2
Total área de apoio (foyer, camarins, áreas técnicas, depósitos e sanitários): 1008,19m2
 Camarins Individuais: 2
Camarins coletivos: 2
 Bar e Café́
Sanitários: Feminino, Masculino e Família/Acessível
Elevador PNE
Bilheteria

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…