Pular para o conteúdo principal

Palestra analisa obra de Mestre Valentim


O doutor em história e artes  André Tavares  ministra neste sábado, 12 de maio, das 11 às 13 horas, a palestra “A talha do Mestre Valentim na Coleção Ema Klabin”. O encontro visa oferecer uma breve história da produção do conjunto de talha decorativa elaborada para a Igreja de São Pedro dos Clérigos no Rio de Janeiro, atribuída ao Mestre Valentim (1799). São apenas 30 vagas, inscrição gratuita no site: https://emaklabin.org.br.

Será apresentada uma análise sobre o conteúdo estilístico da talha bem como sobre a história do edifício em que se instalou. Será abordada a história da demolição do edifício e da dispersão de seu conteúdo, destacando o papel do colecionismo no processo de preservação das artes no século XVIII, sobretudo em meados do século XX, além de dados gerais sobre a produção e a formação do Mestre Valentim.


O encontro faz parte do ciclo de palestras sobre os capítulos do livro “A Coleção Ema Klabin”, editado recentemente pela Fundação. A publicação, organizada pelo curador Paulo de Freitas Costa, traz um panorama do acervo de Ema Klabin (1907-1994), uma mulher à frente de seu tempo que dedicou-se com empenho e competência a colecionar obras de arte, que hoje fazem parte da Casa-Museu (Rua Portugal, 43, Jardim Europa, São Paulo).

Na publicação, os especialistas analisam desde a construção do imóvel-sede da fundação, realizada ao longo dos anos de 1950, até a coleção: pintura holandesa; flamenga e francesa; a arte colonial brasileira nas talhas de mestre Valentim; a arte do Japão, China e da África; o modernismo Europeu e a “Escola de Paris”, o modernismo brasileiro, a coleção de artes decorativas, o mobiliário; os objetos da antiguidade clássica; e a biblioteca com três mil volumes, muito deles raríssimos.  O livro poderá ser adquirido no dia da palestra.

André Tavares é doutor em história e artes pela Unicamp. Dedica-se ao estudo do século XVIII, particularmente ao tema das circulações de modelos artísticos entre Europa e América. Desenvolve projeto de pesquisa sobre a presença britânica no Brasil e em Portugal, tendo sido bolsista do Yale Center for British Art (2016) e participado da Attingham Summer School for the study of historic houses and collections (2017) e Royal collection studies (2013). É professor no Departamento de História da Arte da Unifesp.


Aberta ao público desde 2007, a  Casa-Museu, antiga residência da mecenas, colecionadora e empresária Ema Klabin (1907-1994)  abriga um valioso acervo, entre pinturas do russo Marc Chagall, do holandês Frans Post, talhas do mineiro Mestre Valentim, mobiliário, peças arqueológicas e decorativas. Inspirada no Palácio de Sanssouci, em Potsdam, Alemanha, a Casa-Museu de 900 m², construída na década de 50 pelo engenheiro-arquiteto Ernesto Becker especialmente para abrigar as obras da colecionadora, é uma atração à parte. Até o jardim do museu, projetado por Burle Marx, é uma obra de arte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…