Pular para o conteúdo principal

Lucina, Ná Ozzetti, Badi Assad e Regina Machado fazem show juntas



Música e musicista são sinônimos usados para identificar mulheres que fazem e vivem de música. Em tempos em que a representatividade da criação feminina nas artes ganha tanta força, a primeira edição do projeto Substantivo Feminino busca por mulheres veteranas na música brasileira e que permanecem como referências ativas dentro deste cenário. Assim, nos dias 11 e 12 de maio, Badi Assad, Lucina, Ná Ozzetti e Regina Machado estarão no Teatro do Sesc Vila Mariana, em São Paulo, para esse encontro inédito.

O show leva ao palco quatro cantoras e instrumentistas experientes que são referência na música brasileira e bastam-se musicalmente em suas composições, pesquisas e trajetórias, cada uma dentro do seu próprio e distinto universo criativo. O repertório vai misturar estes universos sonoros, passeando pelo violão e experimentações de Badi Assad, Regina Machado, Lucina e pela voz canônica de Ná Ozzetti, visitando diferentes períodos de suas carreiras.
 

"Substantivo Feminino surgiu da vontade de destacar dentro deste cenário atual musicistas com longo percurso de carreira e na ativa, como Badi, Ná, Lucina e Regina, suas contribuições criativas e produção nos últimos 20 anos. O projeto busca enaltecer a música e a importância destas artistas, figuras relevantes inclusive para a força do movimento recente de mulheres na música", comenta a empresária Nancy Silva, idealizadora do projeto. A realização e produção é da benzaDeus Produtora, empresa paulista que atua com agenciamento e gestão de carreiras artísticas e projetos culturais.

Serviço

Substantivo Feminino
Com Ná Ozzetti, Badi Assad, Lucina e Regina Machado
Dias 11 e 12 de maio, sexta e sábado, às 21h
Local: Sesc Vila Mariana, Teatro
Rua Pelotas, 141, Vila Mariana - São Paulo
Duração: 90 minutos
Classificação recomendada: + 12 anos
Tel: (11) 5080-3000
Capacidade: 620 lugares  
Acesso para deficientes
Tem estacionamento
Ingressos: Ingresso: R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (meia entrada previstas por lei), R$ 9,00 (trabalhador do comércio,matriculados no Sesc e dependentes/Credencial Plena).
Gratuito para crianças de até 12 anos.
Ingressos online:
https://www.sescsp.org.br/programacao/154782_NA+OZETTI+BADI+ASSAD+LUCINA+E+REGINA+MACHADO#/content=saiba-mais 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…