Pular para o conteúdo principal

Livro reúne os bichos de Araquém


Às vésperas de comemorar 50 anos de carreira, o mais importante fotógrafo de natureza do Brasil, Araquém Alcântara, reúne, pela primeira vez em um só livro, as suas melhores fotos de animais. São diversas imagens da fauna feitas pelo autor, em mais de uma centena de expedições pelo país.

A coletânea, intitulada "Bicho Brasil", reúne desde fotografias que ficaram famosas pelas suas lentes até novas imagens de onças, aves, cobras, jacarés, entre outros animais, tiradas em suas últimas viagens. Além disso, histórias e curiosidades sobre os registros são contados pelo autor, em versão em inglês e português, como forma de documentar fatos importantes de sua história. 


“Da primeira onça a gente nunca esquece. Foi há 40 anos, numa viagem para Manaus. O jovem fotógrafo ouviria uma conversa entre dois garçons, que então lhe pareceu um chamado: – E aquela onça? Tá aparecendo lá no igarapé?" Araquém estava na capital para cobrir a inauguração de uma empresa, mas aquela história... “Foi uma força a me compelir”, lembra, sorrindo. Na manhã seguinte já estava perto de Manacapuru, a 85 quilômetros de Manaus. Tremendo com uma tele 200 na mão, ele entrou na mata e subiu o igarapé. "Lá veio o bicho, e mordeu o galho.”


Em madrugadas na Amazônia, nas noites fechadas das chapadas ou em incansáveis caminhadas pelo sertão, Araquém construiu um retrato impressionante da fauna brasileira e inventou um estilo único. Contemplativo e obstinado, ele foge do lugar-comum para alcançar um país de verdade.


Consagrado em mais de 75 exposições nacionais e internacionais, Araquém Alcântara foi o primeiro fotógrafo a produzir um trabalho sistemático sobre os ecossistemas do Brasil. Nascido em Florianópolis, criado em Santos e morador de São Paulo, formou-se em jornalismo, mas, por sorte nossa não foi fisgado pelo glamour das fotos urbanas. Preferiu ter a câmera como extensão dos seus olhos em perigosas expedições pelo interior do país, de onde nos revela imagens que, nas cidades, nem sonhamos existir.

Sobre Tordesilhas


Ampliar sua atuação em outros segmentos do mercado, com ênfase nos gêneros de não ficção mais valorizados pelos leitores brasileiros, como biografias, memórias e livros de reportagem. Esse é o objetivo do selo Tordesilhas em sua nova etapa, iniciada em 2018, sete anos depois da sua criação. O apuro na produção dos títulos continua sendo marca registrada do selo, assim como seu compromisso com o rigor das edições e da busca por autores renomados. Além dos clássicos, revisitados com criatividade, estão no radar da nova Tordesilhas escritores nacionais e internacionais que investiguem temas contemporâneos, capazes de nos ajudar a compreender mutações aceleradas do mundo no início do século 21.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…