Pular para o conteúdo principal

Instituto abre concurso para residência artística


Até o dia 10 de junho, o Instituto Adelina recebe para análise portfólios de artistas que nasceram e/ou residem na América Latina e estejam interessados em participar de sua residência artística. A Residência Adelina para América Latina vai contemplar dois ciclos, que acontecem no segundo semestre deste ano, recebendo dois artistas por vez, sendo dois deles brasileiros.

A seleção dos artistas será realizada por um júri composto por Josué Mattos, diretor artístico do Instituto Adelina – que também assume a curadoria da residência – e por seis curadores e artistas com experiência e atuação no circuito latino-americano. São eles: Camila Bechelany, Galciani Neves, Julia Lima, Vitor Cesar e Renata Cruz.


Os artistas selecionados, terão hospedagem, ajuda de custo e verba de produção para a realização do projeto de pesquisa inscritos. Os artistas também poderão fazer uso do ateliê (localizado no prédio do Instituto Adelina, no bairro de Perdizes, em São Paulo) e contarão com programas públicos realizado pelo Instituto Adelina, assim como momentos de ateliê aberto, para exibição de seus processos e obras.


“A ideia da Residência Adelina é reunir artistas de diferentes atuações em campos distintos da arte contemporânea e estar completamente em linha com a proposta da Adelina Galeria, de buscar um diálogo artístico com a América Latina. Além disso, nos interessa muito a troca de experiência e vivência no ambiente em que estamos inseridos. Começamos com o processo de residência em abril de 2017 e essa será a primeira edição com esse modelo de convocatória. Já recebemos artistas Alemanha, Argentina, Ilhas Canárias e de algumas cidades brasileiras”, explica Fabio Luchetti


A convocatória e a ficha de inscrição da Residência Adelina para América Latina estão disponíveis no site www.institutoadelina.org.br. As propostas com o portfólio e o projeto de pesquisa deverão ser enviadas até 10 de junho para o seguinte e-mail: residencia@institutoadelina.org.br.


O Instituto Adelina desenvolve projetos de pesquisa, produção e compartilhamento de conhecimento em arte contemporânea. O Instituto Adelina promove encontros, debates, oficinas, publicações, além de cursos interdisciplinares, exposições e ações extramuros. Integra um amplo projeto, que inclui a Adelina Galeria, além de uma residência destinada a artistas de fora de São Paulo , situadas no mesmo bairro. O instituto favorece intercâmbios entre artistas, curadores e amantes da arte, de maneira a tornar viáveis a formação livre e a aproximação da arte e educação, participando ativamente da formação de públicos variados, entre os quais professores da rede de ensino público, estudantes, crianças e adolescentes – contemplados com programação específica –, idosos, profissionais liberais e o público em geral.
 

Serviço

Horário de funcionamento: de terça a sexta-feira, das 10h às 19h; e, aos sábados, das 10h às 17h.
Endereço: Rua Cardoso de Almeida, 1372, Perdizes. CEP: 05013-001 – São Paulo.
Estacionamento conveniado: 25% de desconto para visitantes do Instituto Adelina (Rua Caiubi, 308).
Telefone: +55 (11) 3868-0050.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…