Pular para o conteúdo principal

Feira Nacional do Livro terá 250 atividades gratuitas


Uma mistura de reflexão, debate em torno dos livros e da vivência da leitura e troca de experiências entre leitores e escritores é o que a cidade de Ribeirão Preto e toda a região vão vivenciar com a 18ª edição da Feira Nacional do Livro, a ser realizada entre os dias 20 a 27 de maio. Já consolidada como um dos maiores eventos culturais do país, a feira traz neste ano uma programação com cerca de 250 atividades gratuitas e abertas para toda a população e atrai visitantes de todo o país e até estrangeiros.

Nomes como Fernanda Takai, Ignácio de Loyola Brandão, Alice Ruiz, Mario Sergio Cortella, César Nunes, Cristovão Tezza, Eliane Brum, Elisa Lucinda, Zuenir Ventura, Florestan Fernandes Jr., Fernando Bonassi, Renato Janine Ribeiro, Mary Del Priore, Renan Inquérito, Lázaro Ramos, Luiz Ruffato, Viviane Mosé, e ainda shows de Patu Fu e Verônica Ferriani são alguns dos destaques do evento. A programação completa pode ser acessada no site da fundação: goo.gl/Cps3fb.


Com o objetivo de promover um verdadeiro movimento cultural através do tema "As Histórias que os Livros Contam e as Leituras que a Gente Faz", a Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto busca criar uma interação e proximidade maior com o seu público. A ideia é apresentar as histórias que marcaram a vida de muitos leitores. A proposta, segundo a presidente da entidade e curadora do evento, Adriana Silva, "é revelar ao público presente os enredos que se guardaram no baú das memórias, mas que provocaram mudanças de fato".


Neste ano, a programação não só lança diversas novidades, como as Sessões Clássicos da Minha História, conferências com o tema da feira baseadas em livros clássicos e espetáculos musicais inéditos, como também valoriza atividades que são conhecidas pelos participantes, como os salões de ideias, contações de histórias, palestras, oficinas, performances, entre outras. "Preparamos uma programação bem variada, com atrações para todos os públicos e idades, o que traz grandes estrelas da literatura nacional para Ribeirão Preto", explica Adriana.


Palavras combinadas


Uma das atrações que ganham ainda mais destaque nesta edição é o Combinando Palavras, projeto promovido pela Fundação do Livro e Leitura em parceria com a Diretoria de Ensino e o Sesc. O projeto oferece aos estudantes a possibilidade de terem contato com a obra de grandes escritores nacionais e ainda encontrá-los pessoalmente durante a feira. Neste ano participam 5 mil estudantes de 14 cidades. Os autores escolhidos para o projeto e presentes na feira são Alice Ruiz, Cristovão Tezza, Eliane Brum, Elisa Lucinda, Fernando Bonassi (para a rede estadual de ensino); Mariana Colasanti para os estudantes do ensino municipal e ainda Pedro Bandeira para o Projeto Educandário.


Para participar do encontro com os autores, os alunos vêm munidos com trabalhos, homenagens, presentes, apresentações teatrais e musicais, declamação de poesias e muitas perguntas. Tudo isso é preparado antes. Os estudantes passam por um trabalho de formação de leitura em sala de aula e em atividades extras durante o primeiro trimestre do ano letivo, com apoio de seus professores que recebem formação adequada em oficinas oferecidas pela Fundação. "Contribuímos com a formação dos professores e oferecemos um material de apoio e sugestões de obras destes escritores, bem como de dinâmicas de estudos com os alunos", explica a superintendente da Fundação do Livro e Leitura, Viviane Mendonça.


A presidente da Fundação, Adriana Silva avalia que, com o Combinando Palavras, a entidade migrou, definitivamente, da base da difusão para formação de leitores e pretende consolidar esse papel. "Neste ano, os números e propósitos do projeto foram mantidos, mas estamos certos que entramos numa fase de transformação. Assim podemos afirmar que Ribeirão Preto é uma cidade que eleva a quantidade de leitores do nosso país".


Para Mauro Jensen, gerente do Sesc Ribeirão Preto (parceiro cultural da feira), o resultado esperado é que o projeto realmente contribua para a formação de leitores e estimule a curiosidade dos jovens pela literatura. "Trata-se de um projeto que mobiliza professores e estudantes em torno da literatura", explica. Para Mauro, independente do crescimento dos números de leitores que o projeto consiga contribuir, interessa ao Sesc SP pensar na qualidade do que se lê.


A diretora da Regional de Ensino de Ribeirão Preto, Simone Maria Locca, ressalta que o projeto oferece conhecimento extra aos alunos. "Temos que dar valor àquilo que está dando certo", conclui.


Homenageados


Como em todos os anos, a Feira do Livro fará homenagem a um país - e o escolhido foi Uruguai. Quanto aos autores celebrados, o escritor principal é Sérgio Buarque de Holanda; o autor educação é Antonio Candido; a autora infanto-juvenil é Marina Colasanti; autor local, Camilo Xavier, e a professora homenageada, Heloisa Martins Alves. Como patrono, a direção da feira indicou o advogado Sérgio Roxo da Fonseca.


Cerimônia de Abertura


A abertura da 18ª Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto será no dia 19 de maio (sábado), no Theatro Pedro II. A programação começa às 18h30 com apresentação do Coral Unaerp no hall de entrada do teatro e às 19h será realizada a cerimônia oficial. O ponto alto da programação da noite é o concerto da Bachiana Filarmônica Sesi-SP, sob regência do mundialmente conhecido maestro João Carlos Martins. A orquestra entra no palco às 20h e presenteia o público com canções como Concerto nº 5 "Imperador" e Love Of My Life.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…