Pular para o conteúdo principal

Encontros debatem a importância da mulher no samba


A partir do dia 10 de maio, a Fundação Ema Klabin promove o programa Tramas Culturais com o tema “Mulheres do Samba e do Axé: a valorização da presença feminina e de suas vozes negras na constituição dos sambas como elemento ancestral”. Serão quatro encontros, sempre às quintas-feiras, das 19h30 às 21h30, nos meses de maio e junho, orientados pela jornalista  Claudia Alexandre. Com vagas limitadas, as inscrições são gratuitas e estão abertas pelo site da Casa-Museu: http://emaklabin.org.br/

De acordo com a especialista, "o  ambiente das rodas de samba, dos batuques e do ajuntamento solidário do povo negro nunca foi exclusividade masculina, a história da constituição do samba, com  mais de cem  anos,  mostra a importância fundamental da  presença da mulher negra".


As aulas expositivas serão cercadas de vídeos, música, dança  e troca de ideias.


Claudia Alexandre  é mulher negra paulista, mãe, jornalista e radialista. Graduada em Comunicação Social (FIAM-SP),  possui pós-graduação e mestrado em Ciência da Religião (PUC-SP). É apresentadora do Programa Papo de Bamba (TV Regional – Sorocaba e internet). Foi assessora especial da Fundação Cultural Palmares (Ministério da Cultura); assessora de Imprensa da União das Escolas de Samba Paulistanas (UES); assessora de comunicação do Museu Afro-Brasil (Secretaria de Estado da Cultura de SP) e diretora de comunicação da Prefeitura de Guarulhos (SP), gestora em administração de eventos (Senac-SP), e docente da Faculdade HOTEC-SP. Atuou como repórter de rádio e apresentadora de TV. Em 2014 foi comentarista dos desfiles das escolas de samba de São Paulo, pelo Canal Viva (Rede Globo). Realiza pesquisas com interesse na permanência de elementos da religiosidade de matriz africana em manifestações da cultura popular.


Serviço


Tramas Culturais: “Mulheres do Samba e do Axé”
1º encontro - 10 de maio de 2018 - A mulher negra como agente de construção e permanência de redes de solidariedade e sociabilidades do povo negro desde o século XVI no Brasil. A presença feminina negra determinante para a formação de uma raiz do samba e suas variantes; da circularidade do tambor aos batuques  de umbigada. Intervenção: performance percussiva e de dança.


2º encontro - 17 de maio de 2018 -  Dos terreiros sagrados ao samba de roda: O protagonismo feminino de mulheres negras na manutenção das tradições da religiosidade africana em diálogo com as manifestações festivas. A Irmandade da Boa Morte e o samba de roda; Os candomblés e as mulheres do partido-alto; Sambadeiras e tocadoras na constituição e manutenção do samba de roda no Recôncavo da Bahia. Intervenção:  Discussão sobre o DOC Mulheres do Samba de Roda (Rosildo do Rosário e Luciana Barreto).


3º encontro - 7 de junho de 2018 -  A Pequena África, como a capital feminina do samba, no Rio de Janeiro do Século XIX.  As relações de gênero e poder e a participação das “tias baianas” na constituição do maior símbolo de identidade nacional; Tia Ciata a mãe do samba e do axé; A mulher negra antes e depois da formação das escolas de samba;  A mulher no samba de São Paulo: Samba rural de Pirapora,  Quituteiras, Quitandeiras, Benzedeiras e  Tias Baianas Paulistas. Intervenção: DOC Tias Baianas Paulistas Batuque Memorável (Pesquisador: Carlos Antônio Moreira Gomes - 11’).


4º encontro - 21 de junho de 2018 - Do primeiro samba gravado à marginalização da mulher negra:  transformações e negociações no mercado da música nacional. Reflexões sobre a trajetória de sucesso no eixo Rio-SP e o lugar da cantora paulista; Tributo à Clara Nunes, Beth Carvalho, Alcione, Clementina, Ivone Lara, Jovelina Pérola Negra, Leci Brandão.  Intervenção: Grupo Som Mulheres (SP).


Horário: 19h30 às 21h30
Inscrições gratuitas no site: https://emaklabin.org.br/
Vagas: 30 vagas (com lista de espera)
Local: Casa-Museu Ema Klabin
Endereço: Rua Portugal, 43 - Jardim Europa, São Paulo -  11 3897-3232

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…