Pular para o conteúdo principal

Violão de Fábio Zanon passeia entre clássicos e autores latino-americanos


Um dos maiores nomes do violão no cenário mundial, o brasileiro Fábio Zanon abre a temporada 2018 da Série de Violão da Cultura Artística, nesta terça-feira (24/4) às 21 horas, no Auditório do Museu Brasileiro de Escultura (MuBE). O repertório mescla grandes autores do repertório clássico, compositores que deixaram um importante legado ao violão e autores latino-americanos.

A abertura fica com a Kindersonate (Sonata para crianças), de Robert Schumann, seguida da Primeira Grande Polonaise, de Jan Nepomucen Bobrowicz, virtuose polonês do violão. A Suíte em Mi Menor, de Bach (obra originalmente escrita para alaúde) dá sequência ao programa, que ainda tem a Sonatina em Lá Maior, de Federico Moreno Torroba, compositor espanhol que é um dos mais importantes autores do violão.

A última parte da apresentação é dedicada a seis autores latino-americanos, de quem Zanon interpreta pequenas peças: Patrick Roux (Scenes panoramiques: Aurore Boréale), Agustin Barrios (Danza paraguaya), Juan A. Rodriguez (Coral del Norte - Zamba chilena no.1), Antonio Lauro (Virgílio), Frantz Casséus (Dance of the hounsies) e Paulo Belinatti (Emboscada).


Além de violonista, Zanon se destaca como regente, professor, escritor e comunicador e, tanto com seus estudos quanto com a prática musical, tem contribuído para ampliar a presença do violão no universo da música clássica.


Dentre suas conquistas, estão o Prêmio Bravo! de Melhor CD Erudito do Ano por sua gravação da obra de Villa-Lobos, álbum também indicado para o prêmio Artista Prime do Ano. Seu CD com a estreia mundial do Concerto para Violão e Orquestra, de Francis Hime, no qual toca acompanhado pela Osesp, sob regência da maestrina Alondra de la Parra, foi indicado para o Grammy Latino na categoria Melhor CD de Música Clássica.


Desde 2008, Zanon é professor visitante da Royal Academy of Music, de Londres, além de já ter ministrado cursos nas mais importantes escolas, como a Juilliard, em Nova York e o Conservatório de Moscou. Como solista, tem se apresentado em algumas das salas mais importantes como o Royal Festival Hall, em Londres, o Carnegie Hall, em Nova York, e a Philharmonie, de São Petersburgo, com um repertório que vai do tradicional ao mais inovador.

Nos últimos anos estreou várias obras contemporâneas e integrou ao seu rol de interpretações diversas obras-primas esquecidas. Com extensa carreira, Zanon já se apresentou em mais de 40 países e se debruça sobre a história e valorização da música brasileira, sendo autor de uma obra sobre Villa-Lobos, pela Editora da Folha.


A programação da Cultura Artística dedicada ao instrumento de cordas segue em maio, com o croata Zoran Dukic, amplamente premiado e considerado um dos mais importantes violonistas da atualidade.

Em agosto, um destaque da nova geração de violonistas se apresenta por aqui. É o australiano Campbell Diamond, vencedor de competições nacionais e internacionais e que já integrou grupos de câmara e atuou como solista em diversos concertos pelo mundo.


Representante de outra geração de músicos, o violonista alemão Tilman Hoppstock se apresenta em setembro pela Série. Reconhecido por sua trajetória profissional como instrumentista, professor, musicólogo e editor, desde 1978 ele percorre pelos mais importantes centros culturais do mundo.


E para fechar a temporada de violão, a Cultura Artística apresenta o Brasil Guitar Duo, em outubro. Formado pelos brasileiros João Luiz e Douglas Lora, combinam repertório clássico com ritmos tradicionais brasileiros.


Programa

Robert Schumann (1810-1856)
Kindersonate (Sonata para crianças), op.118a


Jan Nepomucen Bobrowicz (1805-1881)
Primeira grande polonaise, op.24


Johann Sebastian Bach (1685-1750)
Suite em mi menor, BWV 996


Federico Moreno Torroba (1891-1982)
Sonatina em lá maior
 

Seis Miniaturas Latino-Americanas:
Patrick Roux (1962). Scenes Panoramiques: Aurore Boréale
Agustin Barrios (1885-1944). Danza Paraguaya
Juan A. Rodriguez: Coral del Norte (Zamba Chilena no.1)
Antonio Lauro: Virgílio
Frantz Casséus (1915-1993). Dance of the Hounsies
Paulo Belinatti (1950) Emboscada

SERVIÇO


Cultura Artística apresenta Fábio Zanon pela Série de Violão 2018
Quando: 24 de abril (terça-feira), às 21h
Onde: Auditório do Museu Brasileiro de Escultura (MuBE)
Endereço: Rua Alemanha, 221 - Jardim Europa, São Paulo/SP
Capacidade: 192 lugares
Mais informações: (11) 3256-0223
Estacionamento: R$ 25 – entrada pela Rua Alemanha, 221
Ingressos: R$ 75 (inteira) – Ingressos esgotados
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…