Pular para o conteúdo principal

Show ao ar livre junta João Bosco e orquestra

 

No próximo domingo, 22 de abril, o projeto Homenagem ao Jazz realiza um tributo a João Bosco, com espetáculo ao ar livre com a big band The Brothers Orchestra. O músico participa da apresentação, revisitando clássicos de sua carreira. A Brothers Orchestra homenageia João Bosco com arranjos para músicas consagradas do autor, como Incompatibilidade de Gênios, Coisa Feita, Jade, Bijuterias e De Frente Pro Crime. O show começa às 16 horas, no Parcão (Parque Moinhos de Vento, na quadra de futebol), em POrto Alegre. Para abrir o tributo, o projeto traz outras quatro apresentações, que começam a partir do meio-dia: Kiai Grupo, Camila Toledo (com um tributo a Billie Holliday), Caio Maurente Trio e Rodrigo Nassif Trio. O DJ Augusto Nesi faz a passagem nos intervalos entre os shows. A entrada é franca.

Em sua segunda edição, o projeto Homenagem ao Jazz contempla uma série de atividades - todas com entrada franca -, como shows em pubs de Porto Alegre e apresentações de Chorinho no Palco Choro Plauto Cruz - criado para homenagear o flautista portoalegrense, falecido recentemente. As apresentações acontecem na Travessa dos Cataventos da Casa de Cultura Mario Quintana, nos dias 27 e 28 de abril (sexta e sábado), com shows do grupo Choro Novo (Oficina de Choro Santander Cultural), Nani Medeiros, Mathias 7 Cordas e Terra Brasilis.


Um dos mais importantes músicos do Rio Grande do Sul, Plauto Cruz recebe esta homenagem pela importância de sua obra e sua excelência como músico. "O jazz é uma música que inclui diversas manifestações musicais, que se amalgama com outros estilos e se estrutura nessa liberdade de criação. Tem em comum com o choro, o improviso, onde Plauto era mestre. Assim, é com absoluta naturalidade que incluímos o choro no Homenagem ao Jazz, e Plauto Cruz, com sua mágica flauta e seu carisma musical contagiante, é o nome perfeito para esta comunhão entre os gêneros", afirma Carlos Badia, curador do projeto.

Entre abril e maio, três bares da capital que tradicionalmente apoiam o Jazz - London Pub, Gravador Pub e Espaço Cultural 512 - vão receber shows de Kiai Grupo, Camila Toledo, Caio Maurente Trio e Rodrigo Nassif Trio. Os músicos - que foram escolhidos também para a abertura do tributo a João Bosco - são expoentes no cenário da música instrumental do Rio Grande do Sul e se apresentaram em edições do POA Jazz Festival.


Outra característica do projeto é o incentivo à formação de público para o jazz. Para tanto, nessa edição serão realizadas 45 oficinas musicais para crianças e adolescentes da Rede Municipal de Ensino. As oficinas vão acontecer entre os meses de maio e junho, e serão ministradas pelos oficineiros Alexandre Missel, Pedro Henrique Sena e Guilherme Sanches.


Além dessa atividades, a Poa Jazz Band - banda itinerante do Poa Jazz Festival - vai levar música para as ruas e locais públicos de Porto Alegre. Serão 15 saídas-surpresa, em que a já conhecida e animada banda vai interagir com as pessoas e divulgar a programação do projeto. (Foto: Flora Pimentel/divulgação)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…