Pular para o conteúdo principal

Renato Teixeira e Almir Sater apresentam novo disco em SP




Compositores referenciais no universo da música caipira, o sul mato-grossense Almir Sater e o paulista Renato Teixeira, depois de mais de 30 anos de amizade e bem-sucedidas parcerias musicais, estão juntos novamente em +AR. Esse trabalho é a continuação do projeto AR, lançado em 2015, e vencedor do Grammy Latino de 2016.

+AR é um álbum de linguagem solta, com reflexões pessoais que tocam profundamente os corações dos ouvintes, promovendo o diálogo entre a música do campo brasileira e a rural americana. Os violões com cordas de aço, pianos e vozes em coro, exploram sonoridades sem chegar na extremidade do caipirismo clássico, nem na ponta do sertanejo romântico e urbano.

Gravado entre a bucólica paisagem da Serra da Cantareira e Nashville (EUA), o projeto traz 10 músicas inéditas compostas pela dupla, que vão desde um rancho no Vidigal, passando pelas tormentas do sertão e chegando aos cafezais mineiros. Para acompanhar a caravana, Almir e Renato ainda contam com a presença de Paulo Simões, que assina Assim os Dias Passarão, enquanto dividem Minas é Logo Ali e Festa na Floresta com Eric Silver – produtor que já trabalhou com Shania Twain, Donna Summer e Cindy Lauper.

No entanto, quem pensou que essa parceria ficaria por aí, se enganou. Os artistas acabam de confirmar seis shows, no Teatro Opus (Shopping Villa-Lobos), em São Paulo, no mês de maio. Os artistas prometem trazer todo estado de espírito de tranquilidade, navegando pelas vertentes do country ao folk moderno, sem perder sua essência.

A venda de ingressos para as datas começou hoje (23/4), na bilheteria do próprio Teatro Opus e pelo canal oficial Uhuu (https://uhuu.com).

Classificação: Livre

Serviço

Almir Sater e RenatoTeixeira
Teatro Opus - SP • 21, 22, 23, 28, 29 e 30 de maio
Segunda, terça e quarta-feira, às 21 horas
Teatro Opus (Av. das Nações Unidas, nº 4777 - Alto de Pinheiros/ 4o piso – Shopping Villa-Lobos)
www.teatroopus.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…