Pular para o conteúdo principal

África ganha exposição em São Paulo


O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no centro da capital paulista, recebe a exposição Ex Africa, com mais de 90 trabalhos de 18 artistas contemporâneos de oito países do continente africano, além de dois brasileiros.

Logo na entrada do prédio os visitantes são recepcionados por uma instalação do ganês Ibrahim Mahama que ultrapassa a altura do teto e quase chega ao primeiro andar por meio do vão interno do prédio. A obra é uma montanha de caixas de madeira, algumas usadas para transportar frutas e outras de engraxate, decoradas com calçados usados e retalhos de tecido. Segundo o curador, Alfons Hug, o trabalho mostra “uma certa precariedade da vida urbana”.


A existência nas cidades é um dos eixos da exposição. A capital da África do Sul, Joanesburgo, aparece através das janelas de um enorme edifício construído para ser um local de luxo, mas que acabou se degradando em moradias faveladas. As fotografias de Mikhael Subotzky dão uma ideia de como é a vida das pessoas que residem ali.

Mais próximo das tradições, o nigeriano Jelili Atiku trouxe para a mostra uma performance fortemente influenciada pela cultura Yorubá. O artista encenará um ritual de limpeza do corpo, para remover, segundo ele, os males trazidos pela Conferência do Congo, quando as nações europeias  desenharam, no século 19, as fronteiras dos países africanos. As delimitações, que não respeitaram a ocupação dos povos no território, visavam facilitar a dominação colonial e acabaram se tornando fonte de diversos conflitos desde então. “É uma limpeza das atrocidades contra a África”, disse Atiku.


O performer usa objetos confeccionados com tecidos de roupas usadas doadas para o trabalho. O nigeriano diz que essa é uma forma de trazer consigo outras forças. “A performance não é só feita por mim, mas também pela energia das pessoas”, diz em referência às roupas que ele acredita carregar traços dos antigos donos.


As questões relativas à colonização também constam dos trabalhos do brasileiro Arjan Martins, que exibe uma série de pinturas com referências às navegações. Já o senegalês Omar Victor Diop usa a linguagem da fotografia de moda para recriar, tendo ele mesmo como modelo, retratos de figuras notáveis da África que conseguiram posições de destaque na Europa nos séculos 18 e 19. “O poder de persuasão e sedução dessas imagens vem do mundo fashion”, enfatiza o curador.


A música também tem destaque na Ex Africa, como na instalação com videoclipes selecionados pelo produtor musical Naija Pop. A seleção com músicas que tocam nas ruas nigerianas foi feita a partir de quatro eixos temáticos: religião, sexo, poder e dinheiro. A sala é ambientada com os sons do tráfego e as vozes das pessoas que circulam pelas calçadas de Lagos, capital da Nigéria.


A exposição Ex Africa pode ser vista gratuitamente até o dia 18 de julho, de quarta a segunda-feira, das 9 às 21 horas. O CCBB fica Rua Álvares Penteado, 112, próximo à Praça da Sé. (Agência Brasil)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…