Pular para o conteúdo principal

Egberto Gismonti e Marisa Rezende batem papo com público em Campinas


O Festival de Música Contemporânea Brasileira chega à sua quinta edição homenageando Egberto Gismonti e Marisa Rezende. A abertura será amanhã, 21 de março, às 20 horas, no auditório do Instituto CPFL. O evento, que marca a agenda cultural de Campinas desde 2014, vai contar com apresentação do Quarteto Radamés Gnattali, seguido por um bate-papo com Gismonti e Rezende, em um momento de perguntas e discussões sobre o cenário da música atual. Os ingressos para o concerto de abertura serão distribuídos com uma hora de antecedência no auditório do Instituto.

Destaque no cenário musical nacional pelo ineditismo de sua estrutura, o FMCB proporciona uma visão global da obra dos homenageados por meio de apresentações e oportunidade de contato com esses compositores, que além de estarem presentes durante todo o evento, também apresentam suas próprias obras, detalhes e curiosidades de sua criação, inspirando outros músicos e trocando experiência.


Confira a programação completa:


Mostra Musical Beneficente no Centro Infantil Boldrini


20 de março de 2018
10h00
Local: Centro Infantil Boldrini


Atividades de musicoterapia com Junior Cadima

Abertura


21 de março de 2018
20h00
Local: Instituto CPFL


Bate-papo com Egberto Gismonti e Marisa Rezende
Concerto de Abertura
Quarteto Radamés Gnattali & Convidados


Homenagem a Egberto Gismonti


22 de março de 2018
10h00 às 17h00: Auditório do Instituto de Artes, Unicamp
20h00: Teatro Municipal José de Castro Mendes
Comunicações Orais
Local: Auditório do Instituto de Artes, Unicamp
10h00: A sonoridade de Egberto Gismonti no início de sua trajetória (1969-1977)
Maria Beatriz Cyrino Moreira
10h30: Água e Vinho a velha mestra e o jovem poeta
Renato de Barros Pinto
11h00: Do ensaio ao palco: A “gramática” musical de Mário de Andrade em Egberto Gismonti
Renato de Sousa Porto Gilioli
11h30: Notas sobre a trajetória de Egberto Gismonti na ECM entre 1976 e 1995: interações, transculturalidade e identidade artística
Fabiano Araújo Costa
Mesa-Redonda
Local: Auditório do Instituto de Artes, Unicamp
13h30
Estética musical e textura rítmica nas obras de Egberto Gismonti
Pesquisadores: Fausto Borém, Hemilson Garcia (Budi), Paulo Tiné
Apresentações artísticas
Local: Auditório do Instituto de Artes, Unicamp
15h00: Egberto Gismonti para violão solo
Daniel Murray
15h30: O pensamento musical de Egberto Gismonti na obra 7 Anéis para piano
Marcelo Magalhães Pinto
16h00: O Brasil de Egberto Gismonti: peças para violão solo
Eddy Andrade da Silva
16h30: Egberto encontra Villa
Duo Gisbranco
Recital Comentado pelo compositor homenageado
Local: Teatro Municipal José de Castro Mendes
20h00 - Entrada gratuita

Egberto Gismonti & convidados
Comentários de Egberto Gismonti


Homenagem a Marisa Rezende


23 de Março de 2018
10h00 às 17h00: Auditório do Instituto de Artes, Unicamp
20h00: Teatro Municipal de Campinas José de Castro Mendes
Comunicações Orais
Local: Auditório do Instituto de Artes, Unicamp
10h00: Ressonâncias e Miragem em casa e myths & visions: dois recitais de piano/performances interdisciplinares
Késia Decoté
10h30: Um olhar sobre a obra Recorrências de Marisa Rezende
Flávia Vieira
11h00: A Ginga de Marisa Rezende: processos composicionais em uma de suas obras para grupo de câmara.
Potiguara C. Menezes
11h30: Mutações e contrastes em duas peças para piano de Marisa Rezende
Tadeu Moraes Taffarello
Mesa-Redonda

Local:Auditório do Instituto de Artes, Unicamp
13h30
Discurso musical e construção sonora nas obras de Marisa Rezende
Pesquisadores: Lidia Bazarian, Marcos Vinício Nogueira, Silvio Ferraz
Apresentações artísticas
Local: Auditório do Instituto de Artes, Unicamp
15h00: Ponderações sobre a construção interpretativa da peça Contrastes de Marisa Rezende
Tatiana Dumas Macedo
15h30: O clarinete na obra camerística de Marisa Rezende
Ensemble Ricciardi
Recital Comentado pela compositora homenageada
Local: Teatro Municipal José de Castro Mendes
20h00
Quinteto Pierrot & Convidados
Comentários de Marisa Rezende
Entrada Gratuita


Concerto de Encerramento


24 de Março de 2018
Local: Teatro Municipal José de Castro Mendes
20h00
Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas
Maestro Victor Hugo Toro
Participação especial: Egberto Gismonti e Marisa Rezende

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…