Pular para o conteúdo principal

Com festa, a Casa do Jongo é reaberta


A Casa do Jongo, instalada no pé do Morro da Serrinha, em Madureira, na zona norte do Rio, reabriu neste sábado, 31 de março, depois do fechamento das atividades em dezembro do ano passado por falta de recursos, deixando 400 crianças e adolescentes sem aulas de dança, música, inglês, capoeira, costura, arte, entre outros cursos.

A festa de reabertura contou com um cortejo pela Rua Silas de Oliveira até a entrada da Casa do Jongo. Depois disso, estavam previstos shows de artistas como Pretinho da Serrinha, Teresa Cristina, Nélson Sargento, Zé Luiz do Império, Velha Guarda do Império Serrano, Dorina e Paulão Sete Cordas.


O espaço, criado para manter a tradição da cultura africana, é o resultado de uma longa história que começou com os negros bantus escravizados que vieram do Congo e de Angola para o Brasil. Depois de libertos, muitos deles, que trabalhavam na lavoura no Vale do Paraíba e em Minas Gerais, se instalaram no Morro da Serrinha. Lá, gostavam de dançar o jongo uma combinação de canto, de dança e de religiosidade.


Mas a tradição corria o risco de se perder. Foi aí que, junto com o Mestre Darcy, Tia Maria, hoje com 97 anos, moradora da comunidade, filha e neta de negros escravizados, ajudou a criar o Grupo de Jongo da Serrinha e, assim, mostrar para os mais novos a importância de preservar aquela cultura.


Em 2000, o grupo se tornou Organização Não Governamental (ONG), depois associação para, no ano seguinte, criar a Escola de Jongo. Em 2005, o Jongo foi reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Dez anos depois surgiu a Casa do Jongo.


Apoio


Suellen Tavares, de 29 anos, começou a frequentar o grupo aos 10 anos. Na escola, fez parte da primeira turma com aulas de jongo, de cavaquinho, de violão, de circo e de teatro. Hoje, tem a função de coordenadora na Casa do Jongo.


“Eu mulher, preta, lésbica, candomblecista, de favela, tenho muito a agradecer ao Jongo da Serrinha. É o Jongo da Serrinha que me coloca nesse lugar de entendimento, de saber que a universidade é um lugar possível, que outros espaços são possíveis para mim e de abrir um leque de representações. De entender que dona Ivone Lara, Tia Maria do Jongo, Jovelina Pérola Negra e Mestre Darcy são importantes”, afirma.


“A Casa do Jongo vem, não para dizer o que você tem que ser, mas sim o que você pode ser. Que os muros da Serrinha vão além da Edgard Romero [importante via de Madureira]. É muito delicado dizer o potencial que esta casa tem e o potencial que essas crianças daqui da Serrinha têm, porque eu sou uma criança aqui da Serrinha. Hoje, entendo a importância que eu tenho no lugar e delas me verem, porque ainda sou moradora da Serrinha”, diz.


Segundo Suellen, a reabertura da Casa do Jongo está sendo feita “meio no peito e na raça”, porque, além de recursos, que são repassados via incentivos fiscais com base na lei do ISS (Imposto sobre Serviços), há uma parte do dinheiro que está sendo obtida por meio de financiamento coletivo feito com o site Benfeitoria, criado pela instituição para receber as contribuições.


“A gente hoje tem o apoio do ISS e consegue manter a casa por três ou quatro meses. A partir daí a gente tem que repensar”, diz, acrescentando que, por mês, a manutenção do espaço custa cerca de R$ 35 mil. “Isso mantendo o básico do básico e tentando manter os voluntários”. Da meta de R$ 7,1 mil para o mês, o fundo virtual conseguiu levantar pouco mais de R$ 4 mil.


Yabás


Outro projeto de manutenção da cultura africana foi atingido pela falta de recursos. A Feira das Yabás, tradicional encontro que ocorre no segundo domingo do mês, na Praça Paulo da Portela, no bairro de Oswaldo Cruz, está suspensa desde novembro do ano passado.


“São bens culturais e imateriais da cidade. Se não tiver encontros tradicionais eles vão se perdendo. A Feira e o Trem do Samba [encontro de sambistas] são uma espécie de oxigenação da memória coletiva para que esses bens fiquem ainda mais latentes naquela região”, diz o cantor e compositor Marquinhos de Oswaldo Cruz, que é o idealizador e coordenador do projeto.


O encontro, que se transformou na Feira das Yabás, começou com uma feijoada da Portela. Depois disso, deixou de ocorrer na quadra da escola de samba e passou a ter duas barracas na rua, uma com macarronada e outra com feijão. As outras tias cozinheiras ligadas a escolas de samba quiseram aderir e sugeriram outros tipos de comidas populares, seguindo, segundo Marquinhos, a tradição dos negros bantus que se instalaram na região.


“Eu queria mostrar uma herança da diáspora no Rio de Janeiro, principalmente, do subúrbio do Rio de Janeiro. É um pedaço da África no coração da cidade maravilhosa e aí veio o nome Yabás.”


A prefeitura, que costumava liberar recursos para a realização dos encontros, suspendeu os repasses, mas o artista informou que está negociando um patrocínio para voltar com a programação.  “Sonho com um patrocínio privado, porque daria mais liberdade e menos dependência do poder público. E em um momento como esse daria ainda mais transparência”, diz.


Marquinhos destacou a importância da feira para a economia local, além do aspecto cultural. “Vem ônibus da Bahia, de São Paulo para a feira. Vem gente de todos os cantos, para uma região empobrecida que é Madureira [vizinha a Oswaldo Cruz]. Uma coisa é fazer um evento na região central e na zona sul, outra é fazer na periferia e as pessoas virem. É uma importância maior ainda neste sentido.”


Marquinhos adiantou que, em abril, ainda não será possível ocorrer uma edição da Feira, mas no dia 13 de maio, quando completará 10 anos ela vai ocorrer de qualquer maneira. “Em maio no dia 13 nem que chova canivete a gente vai fazer.”


Segundo o idealizador, todo dinheiro arrecadado com as vendas das comidas nas barracas fica com as yabás, mas a infraestrutura é paga pela organização da feira, incluindo gastos com equipamento de som e banheiros químicos.


Tia Nira, de 73 anos, é uma das yabás, que segundo ela eram as mulheres que serviam as comidas aos orixás. Ela disse que gosta muito de participar dos encontros. “A feira é muito boa mesmo, sendo que cada um no seu cada um. Tem macarronada, carne assada, mocotó, tripa lombeira, angu à baiana, muita qualidade de comida”, informando que a barraca dela é de peixe. “A minha barraca tem pirão, peixe fritinho na hora, um arrozinho. É logo na calçada da Portelinha, Dá para me ver logo.”


Tia Nira, que é também da Velha Guarda da Portela, disse que, fora da feira, as yabás mantêm uma amizade, e a maioria mora na região.


Patrimônio histórico


Na quarta-feira (28) foi publicada no Diário Oficial do Estado a lei sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão, tornando a Feira das Yabás patrimônio histórico e cultural do Estado do Rio de Janeiro. Para o secretário de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos, Átila Alexandre Nunes, isso vai facilitar que o executivo estadual possa fazer convênios que em consequência deles os organizadores consigam mais recursos.


“Esse tombamento é essencial até para que o Estado possa desenvolver formas de alavancar e possibilitar a edição na data, tão especial, de 13 de maio. O poder público só pode direcionar os seus esforços quando há o reconhecimento da importância cultural dessa feira. Então, a partir deste tombamento, acredito que viabiliza o início de um diálogo de buscar formas, mesmo com as restrições orçamentárias, de campanhas em conjunto, para ajudar à organização da feira”, diz Nunes.


O secretário afirma que o Estado pode contribuir para facilitar a busca por um patrocínio privado, como quer Marquinhos de Oswaldo Cruz.


“É uma forma de atuar. É lógico que estamos passando por um momento no país todo de ainda recuperação econômica e os patrocínios não são fáceis, mas a nossa ideia e tentar um patrocinador privado, mas também ver quais outras formas na questão operacional como podemos contribuir”, acrescenta. (Agência Brasil; foto: Andre Luiz Gonçalves Rodrigues/Casa do Jongo da Serrinha)

Comentários

  1. O promotor com nome de supositório, disse que vai fazer jejum pro Lula ser preso. Como eu não acredito em nada do que ele fala o mais provavel, é que va em uma churrascaria, beliscar uma picanha. Mas o castigo pode vir antes do que ele imagina e o tiro sair pela culatra: o Lula ser solto, e ele ficar com uma baita prisão de ventre. Vai, vai fazer maldade com os outros!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…