Pular para o conteúdo principal

Alfredo Dias Gomes renova paixão pela bateria em seu 9º disco solo


Com uma longa carreira a serviço de estrelas da música brasileira, o baterista Alfredo Dias Gomes decidiu, a partir de 1993, se dedicar à sua maior aspiração: trilhar um rumo próprio, compondo e gravando suas composições. Assim, deixou de integrar a banda de Ivan Lins, com quem viajou o mundo inteiro, para passar a reger de forma independente as próprias baquetas. Desde então, depois de noves trabalhos solos (8 álbuns e 1 single) e uma vídeo-aula (“Exercícios e Ritmos”, de 1998), o músico carioca está comemorando os 25 anos de carreira solo com o CD “JAM”, gravado em seu próprio estúdio, na Lagoa, Rio de Janeiro, por Thiago Kropf, e masterizado por Alex Gordon no mítico Abbey Road Studios, de Londres.

O novo disco reúne toda a sinergia do jazz-rock, grande influência e paixão do baterista desde a adolescência, e traz dois exímios instrumentistas: o contrabaixista Marco Bombom (da lendária Conexão Japeri, de Ed Motta) e o guitarrista Julio Maya, com quem Alfredo tocou no início de carreira, convidando-o posteriormente para participar dos seus primeiros discos solo, “Serviço Secreto” (1985), “Alfredo Dias Gomes” (1991) e “Atmosfera” (1996). Com lançamento exclusivo em plataformas digitais, o CD já se encontra disponível para download e streaming no iTunes, Spotify, Napster e CD Baby.

A faixa de abertura de “JAM” é “The Night”, surgida a partir de criações do baterista no teclado e composta exclusivamente para a formação bateria, baixo, guitarra e teclado.

Na sequência, “Dream Aria” exalta o acaso e a espontaneidade: nascida de um groove no teclado à espera da banda chegar, a música teve a bateria definitiva gravada antes mesmo de nascer a melodia e se gravar os outros instrumentos.

Em seguida, o baterista sintetiza em “High Speed” suas grandes influências dos anos 1970: Billy Cobham, Mahavishnu Orchestra, The Eleventh House.

A faixa “Spanish” foi pensada em destacar o baixo, com a melodia e o solo de “baixolão” do Marco Bombom.

Única música “pronta” do disco, “Jazzy” ganhou releitura para a formação atual, já tendo sido gravada pelo baterista em 2005 no seu CD “Groove”.

A faixa-título “JAM”, primeira a ser gravada, foi concebida exatamente conforme o nome: uma jam session, composta com arranjos na hora dos takes com Maya e Bombom.

A faixa solo “Experience”, também criada a partir de frases no teclado pelo músico, termina com um solo livre de bateria utilizando afinação diferente, mais aguda do que costuma usar.

Depois do disco já concluído – inclusive já masterizado – o baterista incluiu “The End”, sentindo a necessidade de uma música do trio tocando ao mesmo tempo, encerrando uma jornada concebida no improviso e no virtuosismo.

Nascido no Rio de Janeiro, em 1960, Alfredo Dias Gomes, filho dos prestigiados autores teatrais e de telenovelas Dias Gomes e Janete Clair, começou a aprender a tocar bateria aos 10 anos e estreou profissionalmente aos 18 anos, participando da banda de Hermeto Pascoal - gravou o disco "Cérebro Magnético" e tocou em inúmeros shows, com destaque para o II Festival de Jazz de São Paulo e o Rio Monterrey Festival. Alfredo conta que Hermeto o encarregava de abrir os espetáculos - sua estreia num palco se deu dessa maneira, para sua surpresa:

- Foi a primeira vez que toquei com Hermeto e o meu primeiro show. Antes de começar, ele simplesmente me disse "vai lá e abre o show". Assim, sem roteiro, sem nada. Essa foi a maior emoção da minha vida. Hermeto foi quem me deu a maior liberdade para tocar, ele fazia coisas incríveis comigo.

Alfredo tocou e gravou com grandes nomes da música instrumental, como Márcio Montarroyos, que o incentivou a compor, Ricardo Silveira, Torcuato Mariano, Arthur Maia, Nico Assumpção, Guilherme Dias Gomes e Luizão Maia, entre outros. Na MPB e no rock, tocou com Ivan Lins, participou do grupo Heróis da Resistência, tocou e gravou com Lulu Santos, Ritchie, Kid Abelha e Sergio Dias, entre outros.

Completam sua discografia "Tributo a Don Alias" (2017), "Pulse" (2016), "Looking Back" (2015), "Corona Borealis" (2010), "Groove" (2005), "Atmosfera" (1996, com participações de Frank Gambale e Dominic Miller), "Alfredo Dias Gomes "(1991, com a participação especial de Ivan Lins) e o single "Serviço Secreto", de 1985.

Links para download ou streaming



https://open.spotify.com/album/7h8bvSNrmKr0aU0b65Gnv3



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…