Pular para o conteúdo principal

O ouro e a madeira. Ou a obra de um gênio esquecido



Carlos Motta

Não há na música popular brasileira nenhum autor de sambas tão melancólico e reflexivo quanto o baiano Ederaldo Gentil - suas canções expressam de maneira cristalina a pequenez do homem frente à engrenagem social e ao próprio mundo que habita.

Ederaldo morreu em 2012, aos 68 anos de idade, depois de viver vários anos recluso em companhia de sua irmã, num bairro da periferia de Salvador, cidade onde nasceu.

Gravou apenas três LPs, recheados de obras-primas: "Samba, Canto Livre de um Povo" (1975), "Pequenino" (1976) e "Identidade" (1983).

Em 1999 seu parceiro Edil Pacheco reuniu um time de primeira para gravar o CD "Pérolas Finas", que reúne algumas das melhores composições de Ederaldo.

Em 2006 saiu o CD "A Voz do Poeta", patrocinado por amigos, admiradores e familiares, coletânea com 15 músicas.

Ederaldo é autor de alguns dos versos mais inspirados da MPB.

Como os de "De Menor":

Sou o menor dos pequeninos
O mais pobre dos plebeus
O alheio inquilino
O mais baixo pigmeu
O comum do singular
O último dos derradeiros
Viandante e peregrino
O mais manso dos cordeiros


Eu sou maior
Em lampejos de brandura
De angélica candura
Dos mistérios do amor
Sou bem maior
Que os pinheirais da humildade
Pelos campos da bondade
Eu sou a felicidade

Ou os de "O Ouro e a Madeira", um dos mais bonitos sambas já compostos desde que o gênero se fixou como o mais popular do Brasil - há mesmo quem diga que ele é o mais belo de todos.

A canção foi gravada pelos Originais do Samba e por Beth Carvalho, mas nada melhor que ouvi-a na voz do próprio Ederaldo, que participou, junto com Riachão e Batatinha, outros dois baluartes do samba baiano - e brasileiro - do icônico programa MPB Especial, da TV Cultura, no longínquo ano de 1974: 


Não queria ser o mar
Me bastava a fonte
Muito menos ser a rosa
Simplesmente o espinho

Não queria ser caminho
Porém o atalho
Muito menos ser a chuva
Apenas o orvalho


Não queria ser o dia
Só a alvorada
Muito menos ser o campo
Me bastava o grão

Não queria ser a vida
Porém o momento
Muito menos ser concerto
Apenas a canção

O ouro afunda no mar
Madeira fica por cima
Ostra nasce do lodo
Gerando pérolas finas

A vida e a obra de Ederaldo Gentil ganharam um espaço nobre na internet, o site Acervo Ederaldo Gentil, uma preciosidade.

Preservar e difundir o seu legado, principalmente nestes tempos obscuros, é uma obrigação para qualquer um que queira viver não numa colônia americana, repleta do lixo da indústria de entretenimento, mas numa nação independente, de cultura e arte próprias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…