Pular para o conteúdo principal

Museu Afro Brasil tem programação especial para crianças


O Museu Afro Brasil, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, em parceria com a Associação Museu Afro Brasil – organização social de cultura, preparou uma programação especial de férias para janeiro, dedicada especialmente aos pequenos visitantes, que poderão se aproximar das exposições a partir de brincadeiras, jogos e oficinas. As atividades têm início dia 16 e se estendem até o dia 27 de janeiro de 2018.

A programação especial de férias começa com o encontro Brincadeiras do Congo, no dia 16. Voltada principalmente ao público infanto-juvenil e comandada pelo educador congolês Wasawulua Daniel, a atividade apresenta histórias e brincadeiras originárias da República Democrática do Congo, ensinando danças e canções em língala e outras línguas da região. A ação é uma excelente oportunidade para aprender mais sobre a diversidade do continente africano e suas memórias.


Brincadeiras do Congo acontece entre os dias 16 e 26 de janeiro (de terça a sexta-feira), em dois horários diferentes ao longo do dia, às 11h30 e 15h30.


Ainda no mês de janeiro, em comemoração ao aniversário da cidade de São Paulo, o Museu Afro Brasil promove, nos dias 23 e 24, sempre às 11h30, a visita temática “Passados Presentes: A presença negra em São Paulo”.


Durante a atividade, o visitante conhecerá uma São Paulo muitas vezes deixada ao largo. Trata-se dos rostos fotografados por Militão Augusto de Azevedo, dos grandes mestres relembrados por Wagner Celestino, das irmandades religiosas, das edições da imprensa negra, da vida de Luiz Gama e dos eventos marcantes da nossa história apresentados pela ótica da população negra paulistana.


Finalizando a programação especial de férias, no dia 27 de janeiro acontece o encontro Aos pés do Baobá, a partir das 11h00. Durante este evento de contação de histórias e mediação de leitura, os visitantes terão oportunidade de conhecer narrativas africanas ou afro-brasileiras e, em seguida, participar de um bate-papo conduzido por integrantes do Núcleo de Educação do Museu Afro Brasil.


Algumas das atividades requerem inscrição prévia. Em todos os encontros recomenda-se chegar com 15 minutos de antecedência do horário programado e procurar o setor de acolhimento do Museu Afro Brasil. As vagas serão ofertadas de acordo com o horário de inscrição ou chegada. Após o início da atividade, não será permitida a entrada.


Aproveite ainda sua visita e dê uma olhada nas nossas exposições temporárias: “Barroco Ardente e Sincrético – Luso-Afro-Brasileiro” e “Design e Tecnologia no Tempo da Escravidão”.


O museu está localizado na Avenida Pedro Álvares Cabral Portão 10, Parque Ibirapuera, São Paulo, fone 11 3320 8900.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…