Pular para o conteúdo principal

E o "Mito" virou marchinha de carnaval...




Carlos Motta

As marchinhas de carnaval, que dominaram completamente a folia entre as décadas de 30 e 60 do século passado, usaram e abusaram do humor e da crítica social, principalmente a de costumes.

Muitas delas, como "Cabeleira do Zezé" (João Roberto Kelly e Roberto Faissal) e "Maria Sapatão" (João Roberto Kelly), não passariam, se lançadas hoje, no teste do politicamente correto - a turma que aplica esse vestibular é tão rígida que chegou a condenar o verdadeiro hino do carnaval brasileiro que é "O Teu Cabelo Não Nega" (Lamartine Babo e Irmãos Valença).

Com o correr do tempo, outros ritmos chegaram a dominar o carnaval, mas as marchinhas nunca deixaram de ser tocadas - são a alma da festa.

Os blocos de rua, surgidos aos milhares em todo o país, deram fôlego extra ao gênero.

Em Belo Horizonte, a Orquestra Royal tem feito sucesso, com suas marchinhas políticas. Em 2012 o grupo fez sucesso com "Coxinha da Madrasta", uma crítica ao então presidente da Câmara de Vereadores da cidade, Léo Burgues. Depois dela vieram "Imagina na Copa", "Baile do Pó Royal", "Rejeitados de Guarapari", "Prefeito, libera o Cooler" e "Não Enche o Saco do Chico". 

Para este ano foi composta - e já está na rede - a marchinha "Bolsomico", que destrói o deputado fascista e fanfarrão que pretende ser presidente da República - Deus nos livre!

A música foi lançada na segunda-feira, 8 de janeiro:

https://www.youtube.com/watch?time_continue=30&v=tRusmBrTLWE

Sua letra pega pesado no ídolo das viúvas da ditadura. 

Rir é o melhor remédio.

Tem que ter QI de mico
Pra ficar lambendo bota de milico
Cérebro de periquito
Pra chamar esse boçal de mito
Memória de tanajura
Pra dizer que nunca houve ditadura
Cabeça de camarão
Pra querer voltar pros tempos da inquisição
É melhor Jair
Já ir embora
Sair correndo para a aula de história
É melhor Jair
Já ir embora
E leve o prefeito Dória
Leve também a turma desses idiotas
MBL
Crivella
Alexandre Frota
Pra completar na verdade o bom seria
Levar o mico pra aula de economia


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…