Pular para o conteúdo principal

Universal lança desde Waldick Soriano a Baden Powell em formato digital


Grandes álbuns do grande acervo da música brasileira da Universal Music estão agora disponíveis digitalmente. O pacote de lançamentos é composto por álbuns clássicos e especiais, pela primeira vez disponíveis no formato digital, que estão à disposição do público em plataformas como Spotify, Deezer, Apple Music e outras. 

A lista começa com Moreira da Silva, passa pelo samba de Neguinho da Beija-Flor e chega à bossa do grupo Os Cariocas e da cantora Márcia, em seu álbum de estreia, "Eu e a Brisa". O rei do brega, Waldick Soriano, tem resgatado o álbum "Boleros Para Ouvir, Amar e Sonhar..." (foto), da fase em que ainda não usava o chapéu e os óculos pretos que marcaram sua figura. De gênero inteiramente diversos, o também saudoso Celso Blues Boy marca presença com o álbum "Celso Blues Boy 3". 

O pacote traz ainda o grupo Legião Urbana em gravações ao vivo, o lado romântico de Paulo Ricardo em "O Amor Me Escolheu", a grandiosidade do músico e band leader Nelson Ayres, e o pagode dos grupos Só Preto Sem Preconceito e Razão Brasileira. 

Há também o forró do Mastruz com Leite, em álbuns dedicados a Luiz Gonzaga e a Jackson do Pandeiro, os clássicos boleros de Gregorio Barrios em dois títulos, a voz de Hebe Camargo como cantora, a sensualidade de Tânia Alves, e a força de Alceu Valença.

As coletâneas "MPB por Eles" e "MPB por Elas" trazem um painel com os grandes intérpretes do Brasil. E ainda o álbum "Clássicos", com versões de Guilherme Arantes para hits americanos, e o ecletismo de Dolores Duran, cantando em português, espanhol, inglês, italiano e francês.

Os lançamentos incluem também Baden Powell e seu violão em "Baden Powell Ao Vivo no Teatro Santa Rosa", lançado em 1966; Nana Caymmi em "Chora Brasileira"; Paulo Diniz no álbum "Estradas"; a compilação especial "Pra Gente Miúda", com músicas infantis interpretadas por nomes como MPB4 e Elis Regina; e Zizi Possi, intensa e ousada em "Mais Simples".

A série "Sem Limite" apresenta desde o rock da banda CPM 22 aos inúmeros hits da rainha do sertanejo Roberta Miranda. Maria Bethânia também ganhou uma compilação especial, com hits como "Reconvexo", "Ronda" e "Começaria Tudo Outra Vez". Já Vinícius de Moraes e Toquinho aparecem com três títulos: um só com o universo do "poetinha", outro em que predominam as músicas da dupla que formaram e um terceiro com a delicadeza de Toquinho. 

Luiz Melodia, uma das grandes perdas de 2017, tem clássicos como "Pérola Negra" e "Magrelinha" revividos na compilação. A série tem ainda um volume dedicado aos grupos MPB4 e Quarteto em Cy, com muitos números coletivos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…