Pular para o conteúdo principal

Edu, Romero e Mauro: um encontro de três craques


O novo Sesc 24 de Maio (Rua 24 de Maio, 109, Centro), em São Paulo, vai ser palco do encontro de três craques da música brasileira, Edu Lobo, Romero Lubambo e Mauro Senise, que vão lançar o CD "Dos Navegantes", nos dias 22 (quarta-feira, às 21 horas), 23 (às 13 e 21 horas), e 24 (às 21 horas).

Os três são amigos que se admiram mutuamente e que resolveram eternizar, em disco, todo o afeto que os une por meio das gravações de composições poucos conhecidas de Edu, com arranjos "leves" e "simples", dando ênfase às melodias e às interpretações dos três artistas. 

Assim, músicas como "Considerando", "Dos Navegantes", "O Circo Místico", "Gingado Dobrado", "Cidade Nova" e "Valsa dos Clowns", entre outras, receberam um tratamento quase camerístico, com espaço para os solos de Mauro e Romero. No show, além das 11 músicas do CD "Dos Navegantes", serão apresentadas outras  canções mais conhecidas de Edu Lobo, como "Beatriz", "História de Lily Braun" e "Choro Bandido". Os artistas ainda serão ladeados por Bruno Aguilar, no baixo; Mingo Araújo, na percussão; e Itamar Assiere, no piano.


Carioca, nascido em 1943, Edu Lobo é cantor, compositor, arranjador e instrumentista. Iniciou a carreira nos anos 60, fortemente influenciado pela bossa nova, quando numa parceria com Vinicius de Moraes, compôs "Só Me Fez Bem". Porém, com o decorrer do tempo adotou uma postura mais político-social, refletindo os anseios da geração reprimida pela ditadura militar brasileira. Nessa fase, surgiu uma parceria com Ruy Guerra e as composições engajadas "Reza" e "Aleluia". Compôs trilhas para espetáculos teatrais e de balé, participou de festivais, sendo premiado em 1965, com "Arrastão" (com Vinicius de Moraes), e, em 1967, com Ponteio (com Marília Medalha), e fez parcerias com Chico Buarque, Gianfrancesco Guarnieri, e outros artistas.

Romero Lubambo é violonista, guitarrista, arranjador e compositor, nasceu no Rio de Janeiro, em 1955. Desde 1985, tem vivido nos Estados Unidos, onde tocou e gravou com nomes como Astrud Gilberto, Dianne Reeves, Michael Brecker, Al Jarreau, Kathleen Battle, Herbie Mann, Ivan Lins, Flora Purim, Airto Moreira, Paquito D'Rivera, Harry Belafonte, Grover Washington Jr., Luciana Souza, Sérgio Assad, Dave Douglas, Odair Assad, Leny Andrade e César Camargo Mariano. É um dos integrantes do Trio da Paz.

Mauro Senise, também carioca, nascido em 1950, é saxofonista, flautista, arranjador e professor de música. Iniciou sua carreira em 1972, acompanhando Rosinha de Valença, Lúcio Alves e Johnny Alf, entre outros artistas, em shows realizados na casa noturna Le Bateau. Ainda nesse ano, formou, com Kim Ribeiro, Raul Mascarenhas, Ronaldo Aldernas e Andrea Dias, o Quinteto Pixinguinha. No início da década de 80, ajudou na criação do conjunto brasileiro de música instrumental Cama de Gato, no qual ainda toma parte como instrumentista. 

Participou, como músico de estúdio, de diversas gravações em álbuns de compositores e intérpretes brasileiros como Egberto Gismonti, Gal Costa, Ney Matogrosso, Paulo Moura, Luiz Melodia, Milton Nascimento, Chico Buarque e outros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…