Pular para o conteúdo principal

Edu Leal mostra sua música sem rótulos em novo disco e show


Depois do sucesso entre a crítica do CD “Vida Nova”, o violonista, compositor e arranjador Edu Leal retoma sua trajetória que integra os universos da música instrumental à canção em seu segundo disco autoral, “Livre”, que traz convidados especiais Filó Machado, que havia participado também do primeiro álbum, e André Frateschi.

O novo disco une a música popular brasileira contemporânea a várias outras linguagens como baião, jazz, rock, e música camerística. A direção artística e arranjos são de Edu Leal, apoiado pela banda A Conjuntura, composta por Fred Barley (bateria e percussão), Fernando Cardoso (teclados), Maurício Biazzi (baixo elétrico e acústico), Walmer Carvalho (sax e flauta), Sérgio Santos (sax e flauta) e Roger Troyjo (voz), que o acompanha no show de lançamento do CD, no dia 23, quinta-feira, no novo Teatro UMC, na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo.

“A identidade de um artista é uma construção, e, como tal, está a todo momento se recriando”, afirma o músico, cuja formação vai do rock progressivo ao jazz, passando pelos compositores eruditos e a tradição popular brasileira. “O mundo de hoje é marcado pela pluralidade, e não deveria apontar para um rótulo, uma estrutura fechada”, diz.

Sem rótulos, o percurso trilhado por Edu Leal mescla estilos, apontando para a música brasileira contemporânea, que anseia a modernidade não dissociada da tradição. Com isso, reflete os novos tempos e toda a sua variedade estética e de linguagens, servindo-se bem do termo sugerido por um colega músico - "canção instrumental".

Após uma primeira fase musical marcada por participações em bandas de rock progressivo e jazz, Edu Leal dedica-se, desde 1999, à composição e ao arranjo, integrando a tradição da canção brasileira à música instrumental, com elementos da música erudita, rock progressivo (que se aproxima do erudito) e do jazz. Nos anos 2000, participou de festivais de música no interior e, em 2011, lançou seu primeiro disco, “Vida Nova”.

Serviço

Teatro UMC
Av. Imperatriz Leopoldina, 550 – Vila Leopoldina
Tel.: 11 2574-7749
Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia para estudantes e pessoas de idade igual ou superior a 60 anos)
Bilheteria: De terça-feira a domingo, das 16 às 21 horas. No dia, a bilheteria permanece aberta até o início do show. Aceita cartões de crédito (Amex, Visa, Credicard e Mastercard), cartões de débito (Visa Electron e Redeshop) ou dinheiro.
Venda online: www.compreingressos.com 
Televendas: 11 2122-4070, de segunda a sábado das 11 às 19 horas
Capacidade: 290 lugares
Classificação indicativa: livre
Estacionamento próprio: R$ 10 /período de 3 horas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…