Pular para o conteúdo principal

Os latidos hipócritas do vira-lata


Talvez porque o Brasil não passe por nenhuma crise, esteja vivendo uma democracia plena, com suas instituições funcionando perfeitamente e a economia "bombando", o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, por meio de sua conta no Twitter, avisa: o país vai pedir a suspensão da Venezuela do Mercosul. 

O ex-guerrilheiro, motorista de Carlos Marighella, hoje fanático praticante da religião neoliberal, escreveu o seguinte: "É intolerável que nós tenhamos no continente sul-americano uma ditadura. Houve uma ruptura da ordem democrática na Venezuela. E, por consequência, o Brasil vai propor que ela seja suspensa do Mercosul até que a democracia volte."


Os chanceleres do Mercosul, bloco formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, se reunuem neste sábado para tomar uma decisão definitiva sobre a situação da Venezuela com base no Protocolo de Ushuaia, que inclui uma cláusula democrática que pode levar à suspensão política do país no bloco. Atualmente, o Brasil é presidente pró-tempore do bloco.

Em comunicado à imprensa, o Itamaraty informou que os chanceleres deverão avaliar a ausência de medidas concretas para a retomada da normalidade democrática por parte do governo venezuelano, sua recusa a participar da reunião de consultas e o agravamento da situação na Venezuela.

Haja hipocrisia: um país governado por um bando de corruptos, que chegaram ao poder por meio de um golpe, quer dar lições ao seu vizinho, que acaba de promover um eleição para formar uma assembleia constituinte.

Haja vira-latismo: um país que até outro dia era protagonista dos mais importantes fóruns internacionais hoje se curva aos interesses americanos, tal qual no tempo em que o seu embaixador tinha de tirar o sapato no aeroporto e permitia, docilmente, ser revistado para poder entrar na "Terra da Liberdade". (Carlos Motta)

Comentários

  1. Pode ser que eu me engane. Mas o mais provavel, é que a Venezuela mande a Diplomacia Brasileira tomar no cu. Pode sté ser que não. Mas que o risco é alto....ahhhh, isso é!!!!

    ResponderExcluir
  2. Se existisse um troféu cara de pau, com certeza já teríamos o ganhador.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…