Pular para o conteúdo principal

FMI apoia políticas dos golpistas


Kjeld Jakobsen

O relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), conhecido como “Consulta do Artigo IV”, é produzido anualmente sobre cada país após a visita de uma missão de economistas do FMI para verificar a situação da estabilidade econômica e financeira, o crescimento econômico, a estabilidade de preços e se a política cambial está livre de distorções. O relatório de 2017 sobre o Brasil foi emitido em 13 de julho.

Sem surpresas, o relatório tece loas sobre o desempenho do governo golpista na economia, prevendo, inclusive, que a recessão estaria próxima do fim graças às reformas promovidas até agora, em particular a aprovação da PEC 55 e a política de austeridade fiscal. Elogia a queda da inflação, no entanto, sem admitir que ela é resultado de uma das mais profundas recessões que o Brasil já viveu e, apesar da torcida do FMI, não há perspectiva de retomada do crescimento econômico no curto prazo.


O único comentário negativo em relação às reformas é uma nota de pé de página que reconhece que a Lei de Terceirização eventualmente pode gerar falsos trabalhadores por conta própria para sonegar o pagamento de encargos sociais, prejudicando ainda mais o financiamento da Previdência Social. Porém, não faz nenhuma recomendação sobre como solucionar este problema.

Ao contrário das demais recomendações, onde milita abertamente pela adoção da agenda neoliberal, tais como manter a política de austeridade; deixar de indexar aumentos salariais, referindo-se particularmente ao salário mínimo; promover a reforma da Previdência Social; reduzir tarifas externas para mostra-se amigável aos investidores; promover a flexibilização das normas trabalhistas – quando o relatório foi produzido, a reforma trabalhista ainda não havia sido aprovada no Senado.

Ou seja, os golpistas estão realmente engajados na agenda internacional neoliberal, pois, além de seguirem os preceitos defendidos pelo FMI, pretendem também filiar o Brasil à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o que, se for aceito, exigirá ajustes estruturais e abertura econômica ainda maiores do que as promovidas até agora. (Fundação Perseu Abramo)

Comentários

  1. Tipica viadagem. Viado elogiando viado: "fala verdade Tertulio, o golpe não é uma gracinha? É sim Hermenegildo!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…