Pular para o conteúdo principal

Reformas do governo golpista contrariam objetivos da ONU


A CUT denunciou, no fórum das centrais sindicais dos países que integram o Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), na China, que a aprovação das reformas propostas pelo governo golpista desrespeita os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas.

O compromisso é uma das agendas assumidas pelo bloco e, conforme destacou o secretário de Relações Internacionais da Central, Antônio Lisboa (foto), o projeto de Temer contraria pontos fundamentais da agenda: “Nos últimos meses, o governo brasileiro aprovou emenda constitucional que proíbe por 20 anos investimentos nos serviços  de educação, saúde e assistência social. Essa emenda atinge fortemente o cumprimento dos objetivos um (redução das desigualdades), dois (erradicação da fome), três (saúde e bem estar) e quatro (educação de qualidade)”, afirmou.


O dirigente tratou ainda da relação entre a reforma trabalhista e os retrocessos sociais. “Recentemente, o Parlamento brasileiro aprovou uma profunda reforma na legislação trabalhista brasileira que faz retroceder em pelo menos cem anos as relações de trabalho no Brasil e atinge de morte o objetivo oito da mesma agenda 2030, aquele que trata de trabalho decente e crescimento econômico", acrescentou.

Para o secretário, o mundo vivencia um retorno ao modelo neoliberal que concentra a riqueza na mão de poucos, aumenta as desigualdades e a pobreza e dificulta o multilateralismo, com ameaças à paz mundial.

Segundo ele, o movimento sindical é crucial para rever o modelo excludente. “A implementação de novas e alternativas políticas macroeconômicas e industriais são determinantes para uma mudança que gere empregos de qualidade, com respeito ao meio ambiente, a implementação de sistemas justos de tributação e o combate à evasão fiscal. Esses são  desafios a serem enfrentados pelos Brics e, para tanto, os sindicatos devem ter papel fundamental na implementação dessas políticas.”

O 6º encontro do Fórum das Centrais Sindicais do Brics, criado em 2012, reúne líderes de 14 sindicatos dos países do bloco que representa mais de 40% da população mundial, um terço do PIB global e 17% do comércio do mundo. (Agência CUT)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…