quinta-feira, 27 de julho de 2017

Reforma da Previdência sobe no telhado


Em meio a ataques ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, seja por ter recebido R$ 217 milhões por lucros de consultoria em 2016, seja pela implosão do ajuste fiscal (em parte pela quantidade de concessões que Temer teve que fazer para aprovar a reforma trabalhista em 2017 e se manter no poder apesar dos escândalos), foi anunciado que aliados do presidente defendem que ele esqueça a reforma da Previdência (PEC 287/2016) por agora.

Alguns apontam a necessidade de a votação ocorrer em um momento de “tranquilidade política”, outros defendem que a reforma fique para 2019, após as eleições presidenciais, pois em 2018 com as eleições não seria possível. Outros parlamentares estão descontentes com a mudança no texto original.


O possível adiamento pode estar relacionado também ao fato de o governo já ter destinado 65% dos recursos para emendas parlamentares até o presente momento (forma de barganha com os parlamentares) e ainda ter de se proteger de futuras acusações: a expectativa é que a Procuradoria-Geral da República apresente nova denúncia contra ele em agosto.

O Jornal O Globo informa que Temer empenhou R$ 3,9 bilhões em emendas parlamentares em 50 dias e tem agora cerca de R$ 2 bilhões para deputados e senadores até dezembro. O uso político do Orçamento já tem agravado a crise fiscal. A avaliação pode ser que o governo não teria, neste ano, condições de arcar com o custo da aprovação da reforma.

Assim, é necessário reforçar a pressão aos congressistas, para que entendam os riscos eleitorais que enfrentam caso apoiem a Reforma da Previdência, que muito prejudicará os trabalhadores brasileiros. (Ana Luíza Matos de Oliveira/Fundação Perseu Abramo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário