Pular para o conteúdo principal

Protagonismo internacional do Brasil agoniza depois do golpe

Dois acontecimentos mostraram o arrefecimento crescente da política externa brasileira: a pouca representação do país no Fórum Acadêmico do Brics e a emenda para mudar o nome da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila). Ambos os fatos decorrem de uma vontade das forças que estão no poder para entregar o Brasil de bandeja aos países centrais, tornando-o um ator pequeno no cenário mundial, submisso e omisso frente às vontades imperialistas.

Um dos pontos altos durante os governos de Lula e Dilma foi, sem dúvida, o projeto de política externa. Tendo como eixos principais a integração latino-americana e as relações no chamado Sul global, a política externa projetou o Brasil para o mundo, tornando-o um importante player mundial. Vimos a refundação do Mercosul, a criação da União de Nações Sul-americanas (Unasul), do Brics e da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), além da institucionalização da Unila que seria um mecanismo para integrar os estudantes da América Latina e, assim, promover o intercâmbio de conhecimento na região.

O Brics tornou-se um importante canal entre Brasil, Rússia, China e África do Sul para coordenação das atuações desses países em outras instâncias como, por exemplo, o Fundo Monetário Internacional (FMI). Ademais, em 2014 foi criado o Novo Banco de Desenvolvimento do BRICS, o que fortaleceria economicamente a aliança entre esses emergentes.

Porém, depois da posse do governo golpista e das nomeações de atrapalhados títeres do PSDB para o Ministério das Relações Exteriores, o diálogo com o Sul vem perdendo força frente a uma priorização das relações com os países centrais, como os Estados Unidos e a União Europeia. Nesse sentido, durante o Fórum Acadêmico dos Brics, que ocorreu na China, entre os dias 10 e 12 de junho, a pouca participação brasileira foi sintomática. O Itamaraty e o “presidente” mandaram para o evento representantes de baixo escalão, que não articularam nenhuma estratégia para o fortalecimento do Brics, tampouco demonstraram algum projeto de política externa. (Luana Forlini/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…