Pular para o conteúdo principal

O Mundo Bizarro vai engolindo o Brasil


Li muito gibi quando era moleque.

O primeiro deles foi o Pato Donald, que meu pai, o saudoso capitão Accioly, comprava toda semana, religiosamente. 

Tenho até hoje, guardados, vários exemplares da revistinha, e também do Zé Carioca, lançado algum tempo depois do Pato.

Com mais idade, descobri outros gibis, de faroeste e super-heróis.

Enchi uma Cesta de Natal Amaral - alguém se lembra dela? - com as revistas, que depois de reler várias vezes, trocava por outras com os amigos de então.

Suportava as missas dominicais das 11 horas, na Catedral Nossa Senhora do Desterro, em Jundiaí, interior paulista, para as quais ia levado por minha mãe, porque sabia que depois seria recompensado pela visita às quatro bancas de revistas, ao lado da igreja, que exibiam as maravilhas do mundo de fantasia que toda criança frequenta.

Foi nas páginas do Super-Homem que conheci um desses universos surpreendentes. 


Não, não foi Krypton, a terra natal do herói, mas sim o extraordinário Mundo Bizarro, um planeta simetricamente oposto à Terra, até mesmo no comportamento de seus habitantes.

O Super-Homem de lá era um vilão de meter medo, e Lex Luthor, pasmem, era bonzinho!

Os anos se passaram, e, com a triste realidade de nosso dia a dia, o Mundo Bizarro se apagou de minha memória - assim como toda a fantasia do universo dos super-heróis, xerifes, detetives, patos e ratos falantes.

E tudo corria no ritmo dos homens ordinários, até que, para minha surpresa, descubro que o Mundo Bizarro existe, sim, não é apenas uma criação dos estúdios da DC Comics - ele está aqui, no Brasil, camuflado em praticamente todas as suas cidades.

Qualquer um de nós, com um pouco de atenção, é capaz de descobrir os "bizarros".

Eles geralmente se vestem bem, usam roupas de grifes caras, ternos bem cortados, se locomovem em carrões, principalmente SUVs com vidros escuros, raramente se misturam com os terráqueos, e ocupam altos cargos, seja na administração pública, seja na chamada iniciativa privada.

Têm, também, a característica de dizer uma coisa e fazer outra. 

Aparentemente, estão do lado da lei, são caridosos, religiosos, têm a fala suave - são, em resumo, homens de bem.

Dissimulados, enganam muita gente.

Volta e meia, porém, alguns deles são apanhados fazendo as suas maldades. 

Uns poucos são punidos, mas a maioria se livra de qualquer pena.

É que no Brasil de verdade, esse imenso país de tantas e tão profundas injustiças, o maior poder de um super-herói não é voar, nem ficar invisível ou ter uma força sobre-humana para combater o crime - é simplesmente ser capaz de sobreviver.

O Mundo Bizarro cresce, se espalha e vai tomando conta do Brasil. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…